Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Ivo Hélcio Jardim de Campos Pitanguy (Cadeira No. 67)

Membro Titular

Secção de Cirurgia

Cadeira No. 67 - Patrono: Fernando Augusto Ribeiro de Magalhães

Eleito: 03/05/1973 - Posse: 28/06/1973

Saudado por: Bernardo Henrique de Nunes Couto

Antecessor: Cláudio Goulart de Andrade

Falecido: 06/08/2016

 

Ivo Pitanguy nasceu em Belo Horizonte, Minas Gerais, em 05 de julho de 1923, filho do médico cirurgião Antônio de Campos Pitanguy e de Maria Stäel Jardim de Campos Pitanguy. Começou o curso de medicina na Universidade Federal de Minas Gerais, onde permaneceu até o 4º. ano médico, e transferiu-se para a Faculdade de Medicina da Universidade do Brasil, atual UFRJ, onde formou-se em 1946.

Iniciou sua formação cirúrgica no Hospital do Pronto Socorro, atual Hospital Souza Aguiar, onde contou com a tutoria de professores ilustres como Jorge de Moraes Grey, Josias de Freitas e Ugo Pinheiro Guimarães, todos Membros da Academia Nacional de Medicina.

No final dos anos 1940, a cirurgia plástica ainda não era reconhecida como uma especialidade médica. Com uma bolsa de estudos, Pitanguy partiu para os Estados Unidos, onde atuou como cirurgião-residente no Hospital Bethesda, em Ohio. Na mesma época, frequentou a Clínica Mayo, em Minnesota, e o serviço de cirurgia plástica do Dr. John Marquis Converse, em Nova Iorque.

De volta ao Brasil, em 1949, criou o serviço de cirurgia da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, o primeiro de cirurgia de mão da América do Sul, onde orientou médicos e auxiliares, e atendeu até o fim da vida os pacientes carentes e vítimas de deformidades. Cerca de mil cirurgias são realizadas todos os anos nessa unidade. Ainda atuou no serviço de queimaduras e de cirurgia reparadora do Hospital Souza Aguiar, no Rio de Janeiro, entre 1952 e 1955. Organizou ainda o serviço de queimados do Hospital Antônio Pedro, no Rio de Janeiro.

Em 1960 criou o curso de pós-graduação em cirurgia plástica da PUC do Rio de Janeiro, integrado à enfermaria da Santa Casa. O curso já formou 45 turmas, cerca de 500 alunos, originários de mais de 40 países.

Em 1963, fundou a Clínica Ivo Pitanguy, que se tornou um centro de excelência em cirurgia plástica estética e reconstrutora.

Membro da Academia Nacional de Medicina e da Academia Brasileira de Letras, Ivo Pitanguy, além de ter sido um dos mais renomados cirurgiões plásticos do Brasil e do mundo, era professor e escritor. Seu último livro, “Viver Vale a Pena”, uma autobiografia, foi lançado em 2014. No decorrer da carreira, publicou vários livros, a maioria sobre cirurgia plástica e a estética da beleza.

Foi autor de mais de 800 trabalhos publicados em revistas científicas de todo o mundo.

Pitanguy foi agraciado pelo Papa João Paulo II com o Prêmio Cultura pela Paz. A Unesco, através do Instituto Internacional de Promoção e Prestígio, lhe concedeu o Prêmio pela Divulgação Internacional da Pesquisa Médica. Foi membro das mais respeitadas entidades acadêmicas e culturais.

Tinha o título de “Doutor Honoris Causa” por mais de 15 universidades, entre elas Universidade de Tel Aviv, Israel (1986), Universidad Autónoma de Guadalajara, Jalisco, México (2002) e Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2016).

Possuía as principais honrarias e condecorações Nacionais e Internacionais, como p. ex.: Presidente do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1975-1985), Medalha do Mérito Tamandaré, Grão-Mestre da Ordem de Rio Branco - Grau de Comendador, Medalha do Pacificador - Ministério da Guerra, Chancellier des Universités de Paris, Universidade de Sorbonne, Officier de L’Ordre de la Légion d’Honneur, Tître de Grande Ufficiale - Governo Italiano e Ordem Dinástica da Casa Savoia.

O Acadêmico Ivo Pitanguy permaneceu em atividade até o final da vida. No dia 16 de julho de 2016 compareceu à Sessão da Academia Nacional de Medicina, e no dia 5 de agosto de 2016 participou da condução da tocha olímpica, no bairro de Botafogo, Rio de Janeiro, já debilitado e de cadeira de rodas.

Faleceu em sua residência, no Rio de Janeiro, em 6 de agosto de 2016.

Pitanguy fez do Brasil a principal referência mundial em cirurgia plástica ao desenvolver técnicas nas áreas de estética e de reparação. Transformou a vida de milhares de pacientes, famosos e anônimos. Formou gerações e gerações de alunos, novos cirurgiões que aprenderam com ele a respeitar e valorizar a autoestima dos pacientes.

Necrológio Jornal do Brasil

Necrológio Jornal O Globo

Necrológio Folha de São Paulo

Agenda
    Em maio
  • 30/5/2017 - 20:00 - Sessão Solene de Posse de Honorário Nacional - Dr. Miguel Srougi