Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Filogônio Lopes Utinguassú

Membro Titular

Eleito: 22/07/1878 - Posse: 22/07/1878 – Sob a presidência de José Pereira Rego (Barão do Lavradio)

Falecido: 13/03/1898

Nascido a 20 de dezembro de 1854, em Salvador (BA). Filho de Benjamin Cincinato Utinguassú e de D. Ernesta Maria Utinguassú. Graduou-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, defendendo tese de doutoramento intitulada “Tratamento e Diagnóstico nas Diversas Formas de Febres Perniciosas que Reinam no Rio de Janeiro”.

Preparador e lente substituto de Fisiologia; serviu no Corpo de Saúde do Exército. Figura no número dos cientistas beneméritos do Brasil. Clínico apaixonado, notável estudioso, desde os bancos acadêmicos.

Anteriormente ao sábio Oswaldo Cruz, como tendo estudado os meios de exterminação do mosquito propagador da febre amarela. São palavras de Olímpio da Fonseca, dando-lhe essa precedência: “Em 1884 e 1885, muito antes das vitórias científicas alcançadas em Cuba, defendia Utinguassú, na Academia, em termos que não permitem dúvidas quanto as suas convicções, ideias unicamente atribuídas a estrangeiros”. Odair Franco (1969) destaca que Utinguassú foi o primeiro a propor a idéia da transmissão da febre amarela pelo mosquito, em um trabalho apresentado à Academia Imperial de Medicina, em 27 de outubro de 1885. Nesta apresentação afirmara “que os mosquitos picavam os amarelentos e lhes sugavam o sangue; depois estes mosquitos assim infectados iam frequentemente contaminar a água a ser bebida”.

Na sua importante memória sobre “Profilaxia da Febre Amarela”, o próprio Oswaldo Cruz refere-se elogiosamente à generosa ação de Utinguassú na debelação desse mal que tanto assolou regiões brasileiras até o começo do século.

Na ocasião de sua posse na Academia Nacional de Medicina, apresentou memória para admissão intitulada “Da Terebentina, sua Ação Fisiológica e Terapêutica”. Na instituição, atuou como Secretário (1887-1888; 1888-1889; 1891-1892;

Faleceu a 13 de março de 1898, tendo sua morte sido comunicada em Sessão de 14 de abril de 1898.