Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Pedro da Silva Nava (Cadeira No. 06)

Membro Emérito

Secção de Medicina

Cadeira No. 06 - Patrono: Manoel de Valladão Pimentel

Eleito: 11/04/1957 - Posse: 18/07/1957 - sob a Presidência de Deolindo Augusto de Nunes Couto

Emérito: 12/08/1982

Saudado por: Eduardo Augusto de Caldas Brito

Antecessor: Irineu Malagueta de Pontes

Falecido: 13/05/1984

O Dr. Pedro da Silva Nava nasceu em 05 de junho de 1903 em Juiz de Fora, no Estado de Minas Gerais.

Filho de José Nava e D. Diva Jaguaribe Nava. 

Formado em medicina pela Faculdade Nacional de Medicina de Minas Gerais (1928).

Em sua carreira profissional pode atuar em várias instituições como: Policlina Geral do Rio de Janeiro; Santa Casa de Belo Horizonte; Santa Casa do Rio de Janeiro; Hospital do Pronto Socorro; Hospital Carlos Chagas; Lariboisiere; Broussais; Tenon e Pitie. Fez parte de instituições cientificas no Brasil e no Exterior como: Sociedade Brasileira de Reumatologia; Sociedade de Reumatologia do Rio de Janeiro; Colégio Anatomico Brasileiro; Colegio de Cirurgiões; Sociedade Argentina de Reumatologia; Sociedade Argentina de Estudos Reumatologicos.

Concorreu a admissão como Membro Titular na Secção de Medicina da Academia Nacional de Medicina com a memória “Com a contribuição ao estudo clinico da artrose dos joelhos”.

Como médico, foi dos poucos não-juristas a assinar o Manifesto dos Mineiros. Foi o maior memorialista da literatura brasileira, autor de sete livros: Baú de Ossos, Balão Cativo, Chão de Ferro, Beira Mar, Galo das Trevas, O Círio Perfeito, Cera das almas (póstumo, incompleto). Neles, Pedro Nava traçou um painel completo da cultura brasileira no século XX, incluindo costumes familiares e cultura popular.
Suas famosas páginas sobre a medicina são das maiores da literatura brasileira. A Belo Horizonte dos anos vinte e o Rio Antigo aparecem em suas narrativas como uma força poética e uma profundidade observacional que muitas vezes se transformam em pura poesia, levando o leitor a um mundo mágico

Faleceu aos 80 anos, em 13 de maio de 1984.