Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Paulo de Figueiredo Parreiras Horta (Cadeira No. 52)

Membro Titular

Secção de Medicina

Patrono da Cadeira No. 52

Eleito: 27/06/1918 - Posse: 01/08/1918Sob a presidência de Miguel de Oliveira Couto

Emérito: 12/09/1945

Antecessor: Alfredo da Graça Couto

Falecido: 29/07/1961

Nasceu no Rio de Janeiro, no dia 24 de janeiro de 1884, sendo seus pais José Freire Parreiras Horta e Paula Margarida de Figueiredo Parreiras Horta e neto do Visconde e da Viscondessa de Ouro Preto. Seu avô, o Visconde de Ouro Preto, de nome Afonso Celso de Assis Figueiredo, foi importante político, jurisconsulto e estadista do Império.

Paulo de Figueiredo Parreiras Horta fez os estudos de humanidades em sua cidade natal. O mesmo ocorreu com sua formação superior. Formou-se inicialmente em farmácia, em 1903, pela Faculdade de Farmácia do Rio de Janeiro. Depois, em 1905, concluiu o curso de medicina, na Faculdade de Medicina da mesma cidade, oportunidade em que defendeu sua tese de doutoramento intitulada “Contribuição para o estudo das septicemias hemorrágicas”, a qual foi aprovada com distinção. A tese de Parreiras Horta é dividida em três partes: a primeira, trata das septicemias hemorrágicas em geral; a segunda, aborda a septicemia dos coelhos; a terceira, é dedicada à septicemia dos coelhos de Manguinhos.

Ainda estudante, frequentou o Instituto Manguinhos, onde foi discípulo de Oswaldo Cruz e de outros notáveis cientistas da época.

Concluído o curso médico, o Dr. Parreiras Horta seguiu para a Europa, onde durante dois anos (1906 e 1907), estudou Microbiologia no Instituto Pasteur de Paris. De volta ao Brasil, foi nomeado Assistente do Instituto Manguinhos.

A convite de Oswaldo Cruz, desenvolveu estudos sobre micoses do couro cabeludo, especialmente sobre um novo tipo de “Piedra negra”, causada pelo Piedraia hortai (hortai, em homenagem a Parreiras Horta - nome proposto por Brumpt, grande parasitologista francês).

Além do P. hortai, Parreiras Horta descreveu outras espécies de cogumelos, tais como Trichosporum flavescens, Trichosporum ramose, Cladosporum wernecki e Madusella osvaldai (em homenagem a Oswaldo Cruz).

De março a setembro de 1911, dedicou-se ao estudo de uma epidemia de raiva que acometia os gados bovinos e equinos de Santa Catarina e que ameaçava estender-se por outras unidades da federação. Parreiras Horta combateu a epizootia, controlou a doença e organizou a produção e distribuição de uma vacina, tanto para a raiva humana quanto para a raiva de outros animais.

Em 1917, assumiu a cátedra de Microbiologia e Parasitologia dos Animais Domésticos, na Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária do Rio de Janeiro.

Com a entrada do Brasil na 1ª Guerra Mundial, Parreiras Horta foi comissionado, com outros professores, no posto de Tenente Coronel, para trabalhar no laboratório do Instituto Buisson-Bertrand, da Faculdade de Medicina da Universidade de Montpellier, na França.

Regressando ao Brasil, em 1919, Parreiras Horta assumiu a direção da Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária, cargo correspondente ao atual Reitor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Foi eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina apresentando a memória intitulada “Um novo micetoma de grãos negros produzidos pela Madusella oswaldai”.

No rol de suas relações contava Parreiras Horta com a amizade de Maurício Graco Cardoso, governador de Sergipe, o qual o convidou para vir a Sergipe e construir em Aracaju um Instituto de Pesquisa capaz de ampliar suas ações no campo da Saúde Pública. Atendendo ao convite, Parreiras Hortas chegou à capital sergipana no início de 1923, como hóspede oficial, em companhia da esposa e filhos.

Em Aracaju dedicou-se de corpo e alma ao grande empreendimento. O objetivo era a produção de insumos básicos, o combate a raiva e a produção de vacina antivariólica. O Instituto deveria contar com laboratórios de patologia clínica, de bacteriologia e de química, capazes de propiciar a implantação da pesquisa científica no Estado.

O Instituto foi inaugurado em 5 de maio de 1924, com os laboratórios acima referidos e o setor de produtos biológicos (para a produção das vacinas contra a varíola, a raiva e as febres tifoide e paratifoide).

Em dezembro de 1925, Parreiras Horta concluiu sua missão e retornou para o Rio de Janeiro, deixando em seu lugar o Dr. João Firpo Filho. O governo de Sergipe, num ato de justa homenagem, deu ao seu Instituto de Pesquisa o nome de Instituo Parreiras Horta.

Do currículo do Dr. Parreiras Horta constam, dentre outros, os seguintes títulos: Professor Catedrático de Dermatologia e Sifilografia da Faculdade Fluminense de Medicina; Professor Catedrático de Microbiologia e Parasitologia dos Animais Domésticos na Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária da Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária do Rio de Janeiro; Professor Catedrático e Honorário da Escola de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro; Membro efetivo do Conselho Nacional de Educação; e Chefe da Secção Técnica da Diretoria Geral do Serviço de Veterinária do Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio.

O Dr. Parreiras Horta faleceu no Rio de Janeiro, no dia 29 de julho de 1961.