Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Manoel de Abreu (Cadeira No. 84)

Membro Titular

Secção de Ciências Aplicadas à Medicina

Patrono da Cadeira No. 84

Cadeira No. 90 - Patrono Oswaldo Gonçalves Cruz

Eleito: 13/09/1928 – Posse: 23/09/1928 - Sob a presidência de Miguel de Oliveira Couto

Falecido: 30/01/1962

O Dr. Manoel Dias de Abreu nasceu em São Paulo, em 4 de janeiro de 1891, filho do português Júlio Antunes de Abreu e da paulista Mercedes da Rocha Dias, foi um médico, cientista e inventor brasileiro.

Em 1914, conclui a Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, defendendo a tese intitulada “Natureza pobre”, determinado a dedicar-se ao estudo da Radiologia.

Pouco depois de formado, mudou-se com os pais e os irmãos para a Europa – Lisboa, depois Paris. Chefiou a Santa Casa de Paris e o Laboratório Central de Radiologia do Hôtel-Dieu. No Hospital Laennec, dedicou-se à radiologia pulmonar, estudando os significados das diferenças de tons e sombras. Publicou diversos livros em francês, abordando densimetria pulmonar e radiodiagnóstico.

De volta ao Rio de Janeiro, em 1922, surpreendeu-se com a epidemia de tuberculose que castigava a cidade. Um dos problemas que logo notou era que as pessoas procuravam tratamento quando a doença já havia atingido a fase mais grave, em que o tratamento não é mais eficaz. Graças a sua insistência, foi criado o primeiro serviço carioca de radiologia dedicado à doença. Na época, chefiou o Departamento de Raios-X da Inspetoria de Profilaxia da Tuberculose. A seriedade do quadro incentivou-o a intensificar os estudos sobre radiografia do tórax, mas sem resultados animadores.

Foi o inventor da abreugrafia, que permite o diagnóstico precoce da tuberculose pulmonar e com o tempo passou a ser utilizada para a descoberta de lesões no coração, nos grandes vasos, e de tumores no pulmão.

Foi eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina, em 1928, apresentando Memória intitulada “Contribuição ao estudo radiológico do mediastino na criança”. É o Patrono da Cadeira 84.

Manoel de Abreu apresenta seu invento à Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, em 1934. A técnica diferenciava da radiografia convencional. Era o resultado da impressão direta dos feixes de raios-X sobre o filme radiológico, após atravessarem o corpo. Na roentgenfotografia, o que se obtém é uma fotografia da imagem que aparece na radioscopia. O processo foi chamado de radiografia indireta do tórax.

Em 1939, o Congresso Brasileiro de Tuberculose torna oficial o nome "abreugrafia" que foi aprovado depois pela União Internacional contra a Tuberculose.

O Dr. Manoel de Abreu se tornou um dos mais importantes nomes da Medicina no Brasil e no mundo. Lecionou Radiologia em diversas instituições científicas no Brasil e no exterior. Foi cavaleiro da Legião de Honra na França e recebeu várias medalhas de ouro outorgadas por várias sociedades científicas, como a do College of Chest Physicians, do Colégio Interamericano de Radiologia do Peru e da Associação Argentina de Radiologia.

A abreugrafia foi solicitada como pré-requisito para ingresso em escolas, alistamentos e empregos diversos. Sendo muito alto o grau de radiação usado na abreugrafia, ao longo dos anos outras formas de radiografia foram surgindo. No dia 4 de janeiro é comemorado o Dia Nacional da Abreugrafia, instituído pelo Decreto nº 42.984, de 3 de janeiro de 1958.

Além da descoberta, Manoel de Abreu deixou vasta literatura científica, publicada no Brasil e no exterior, destacando-se: “Radiodiagnostic dans la tuberculose pleuro-pulmonaire” (1921), “Novos estudos da radiologia vascular” (1925), “Cálculo e tabela de correção da mensuração da aorta pela teleradiografia” (1926), “Radiogeometria do mediastino” (1928), “Novos rumos da profilaxia da tuberculose” (1937), “Nova técnica de tomografia transversal do tórax” (1941) e “Importância da abreugrafia no diagnóstico e profilaxia da tuberculose” (1960).

Manoel de Abreu foi o primeiro Presidente da Sociedade Brasileira de Radiologia e Eletrologia, em 1930, e a importância de sua obra conduziu à criação da Sociedade Brasileira de Abreugrafia, em 1957, e à publicação da “Revista Brasileira de Abreugrafia”. Foi membro de diversas instituições acadêmicas e científicas no Brasil e no exterior. É o Patrono da Cadeira 02 da Academia de Medicina do Estado do Rio de Janeiro e da Cadeira 37 da Academia de Medicina de São Paulo.

Foi indicado, pelo menos cinco vezes, para o Prêmio Nobel de Medicina. Reservou tempo ainda à poesia, publicando, entre outros, o livro “Substâncias”, ilustrado por Di Cavalcanti.

O Dr. Manoel Dias de Abreu faleceu na cidade do Rio de Janeiro, em 30 de janeiro de 1962, de forma trágica e irônica para um pneumologista, de câncer de pulmão, provavelmente causado pelo fumo, hábito que mantinha desde longa data.