Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Luiz Amadeu Capriglione (Cadeira No. 16)

Membro Titular

Secção de Medicina

Cadeira 16- Patrono: Érico Marinho da Gama Coelho

Eleito: 16/05/1940 - Posse: 06/06/1940

Saudado por Agenor Edésio Estelita Lins

Antecessor: Raul Pitanga Santos

 

Filho de Januário Capriglione e de D. Conceta Define. Nasceu em 23 de agosto de 1901, na Cidade de Mococa, São Paulo.

Formado pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 29/12/1923.

Inscreveu-se como candidato à vaga aberta na Secção de Medicina Geral, com a transferência do Acad. Raul Pitanga Santos desta Secção para a de Cirurgia Especializada, em 26/10/1939, onde passou a ocupar a poltrona vaga com o falecimento do Acad. Gabriel de Andrade, comunicado em sessão de 20/10/1939. Apresentou a memória “Aspectos da Fisiopatologia Auricular”.

Exerceu numerosos cargos públicos, tendo sido inclusive Secretário de Saúde e Assistência da Prefeitura do antigo Distrito Federal, no Rio de Janeiro. Criou, nesta época, os famosos “comandos sanitários”. Foi também inspetor do ensino secundário, em Fortaleza (1925), São Paulo (1926), Oliveira (1926) e Araquara (1926).

Professor de Patologia Interna da Escola de Enfermagem Ana Nery, em 1929, conquistou em 1931 a docência-livre de Clínica Médica na Faculdade Nacional de Medicina e em 1931, na mesma Faculdade, a docência de Clínica de Doenças Infecciosas e Tropicais.

Foi chefe do Serviço de Clínica-Médica do Hospital da Gamboâ (Enfermarias São Sebastião e São João). Em 1943 foi classificado em concurso, para Professor Catedrático de Clínica Médica da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

No Hospital Moncorvo Filho criou um dos melhores serviços de clínica do país. Deixou numerosos trabalhos sobre Ginecomastia e Cirrose Hepática, Formas Nervosas do Impaludismo, Malária Perniciosa, Fisiopatologia da Atividade Auricular, Equilíbrio Ácido-Básico e trocas Cloro-Azotadas (tese de livre-docência, 1930), Distúrbios da Condução Sino-Auricular, temas de Cardiologia, Tesaurismoses lipoídicas (1941), o sistema Retículo-Endotelial nas Protozooses (1935), Aneurisma da Artéria Pulmonar (1945). As Funções Renais no Diabete (1945), Doença de Chagas (1946), Síndrome de Gaucher (1946), Alterações Cardíacas na Uremia, com referência especial ao papel da Hiperpotassemia (1947), aspectos pouco frequentes da Alcaptonúria (1949), Hipertrofia Muscular Vera (1951).

Fez escola, tendo sido seus discípulos, entre outros, Aarão Bemchimol, Paulo de Góes, Emiliano Gomes, Barreto Netto, José Schermann, Paulo Schlesinger e tantos outros.

Com a morte de Capriglione, ocorrida na cidade do Rio de Janeiro a 20 de agosto de 1953, perdeu a medicina brasileira e o ensino do país um de seus mais conceituados e eruditos mestres, exatamente quando, na maturidade, era de esperar-se muito de sua inteligência. Galgou com méritos todos os postos no magistério. Foi interno, assistente, docente, chefe de clínica, titular de várias cátedras e em todos esses postos sempre se destacou por sua marcante personalidade.