Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Julio Eduardo da Silva Araújo (Cadeira No. 97)

Membro Emérito

Secção de Farmácia – Atual Secção de Ciências Aplicadas à Medicina

Cadeira No. 97 - Patrono: Augusto Cezar Diogo

Eleito: 13/07/1916 - Posse: 13/07/1916 - sob a Presidência de Miguel de Oliveira Couto

Antecessor: Antonino Ferrari

Emérito: 09/09/1943

Falecido: 13/03/1951

Nasceu em 27 de dezembro de 1881, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de Luiz Eduardo da Silva Araújo e de D. Júlia Palmer da Silva Araújo.

Graduou-se em Farmácia pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1902.

Após graduado, passou a trabalhar com seu pai e seus parentes na Silva Araujo & Cia., importante farmácia, drogaria, laboratório e fábrica de produtos químicos e farmacêuticos que foi fundada em 1871. Porém só no ano de 1908 passou a ser sócio da indústria tornando-se então o farmacêutico responsável.

Eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 1916, apresentando a memória intitulada “Cultura e aclimatação de plantas medicinais exóticas”. Durante o período em que esteve na instituição exerceu o cargo de Presidente da Secção de Farmácia (1920-1921) (1922-1923) (1923-1924) (1924-1925) (1925-1926) (1926-1927) (1928-1929) (1929-1930). Tornou-se Membro Emérito da instituição em 1943.

Foi membro de diversos conselhos, sociedades e associações nacionais, tais como sócio fundador e presidente da Associação Brasileira de Farmacêuticos, membro e presidente da Academia Fluminense de Letras, membro e presidente da Sociedade Nacional de Agricultura, membro da Associação Comercial do Rio de Janeiro, membro do Conselho Superior do Comércio, membro e presidente da Sociedade Brasileira de Botânica, e membro da Academia Nacional de Farmácia.

Enveredou pelo campo político tornando-se deputado da Assembleia Estadual Fluminense em 1923.

Publicou vários trabalhos de sua especialidade, dentre estes destacam-se “Cultura e aclimação das plantas medicinais exóticas” (1922), “Toxicomania” (1923), “Cultivo do trigo em terras fluminenses” (1930).

Faleceu em 13 de março de 1951, na cidade do Rio de Janeiro.