Academia Nacional de Medicina

Português Inglês


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Julio Eduardo da Silva Araújo (Cadeira No. 97)

Membro Emérito

Secção de Farmácia – Atual Secção de Ciências Aplicadas à Medicina

Cadeira No. 97 - Patrono: Augusto Cezar Diogo

Eleito: 13/07/1916 - Posse: 13/07/1916 - sob a Presidência de Miguel de Oliveira Couto

Antecessor: Antonino Augusto Ferrari

Emérito: 09/09/1943

Falecido: 13/03/1951

Nasceu em 27 de dezembro de 1881, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de Luiz Eduardo da Silva Araújo e de D. Júlia Palmer da Silva Araújo.

Graduou-se em Farmácia pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1902.

Após graduado, passou a trabalhar com seu pai e seus parentes na Silva Araujo & Cia., importante farmácia, drogaria, laboratório e fábrica de produtos químicos e farmacêuticos que foi fundada em 1871. Porém só no ano de 1908 passou a ser sócio da indústria tornando-se então o farmacêutico responsável.

Eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 1916, apresentando a memória intitulada “Cultura e aclimatação de plantas medicinais exóticas”. Durante o período em que esteve na instituição exerceu o cargo de Presidente da Secção de Farmácia (1920-1921) (1922-1923) (1923-1924) (1924-1925) (1925-1926) (1926-1927) (1928-1929) (1929-1930). Tornou-se Membro Emérito da instituição em 1943.

Foi membro de diversos conselhos, sociedades e associações nacionais, tais como sócio fundador e presidente da Associação Brasileira de Farmacêuticos, membro e presidente da Academia Fluminense de Letras, membro e presidente da Sociedade Nacional de Agricultura, membro da Associação Comercial do Rio de Janeiro, membro do Conselho Superior do Comércio, membro e presidente da Sociedade Brasileira de Botânica, e membro da Academia Nacional de Farmácia.

Enveredou pelo campo político tornando-se deputado da Assembleia Estadual Fluminense em 1923.

Publicou vários trabalhos de sua especialidade, dentre estes destacam-se “Cultura e aclimação das plantas medicinais exóticas” (1922), “Toxicomania” (1923), “Cultivo do trigo em terras fluminenses” (1930).

Faleceu em 13 de março de 1951, na cidade do Rio de Janeiro.


Av. General Justo, 365, 7° andar
Rio de Janeiro - 20.021-130
Tel: (21) 3970-8150