Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

José Pereira Rego Filho

Membro Titular

Eleito: 18/07/1870 - Posse: 18/07/1870 – Sob a presidência de José Pereira Rego (Barão do Lavradio)

Falecido: 04/05/1929

Nasceu em 2 de julho de 1845. Filho do Acad. José Pereira Rego (Barão do Lavradio) e de D. Maria Rosa Pinheiro Pereira Rego.

Foi um dos fundadores do Instituto dos Bacharéis em Letras, inaugurada em 1864. A associação existiu até 1868, mesmo ano em que se doutorou em Medicina, defendendo a tese intitulada “Dos casamentos consanguíneos”.

Eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 1870, apresentando a memória intitulada “Rápido estudo sobre as epidemias de sarampo que têm grassado no Rio de Janeiro desde 1836 a 1839, principais complicações desta enfermidade nas crianças e seu tratamento”. Durante o período em que esteve na instituição, exerceu o cargo de Secretário por três vezes, de 1873 a 1879; de 1879 a 1881 e de 1881 a 1883.

Atuou como médico na Casa de Saúde Santa Teresa, na Rua Riachuelo nº 98, ao lado de seu pai José Pereira Rego e de João Vicente Torres Homem e trabalhou como médico nos paquetes do Lloyd e da Cia. Nacional de Navegação Costeira.

Em 1906, tornou-se membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. No Instituto, na Academia e no exterior teve oportunidade de pronunciar conferências.

Em 1908, quando, por iniciativa do então Presidente da Academia Nacional de Medicina, o Acad. Antônio Fernandes Figueira, a Academia organizou o volume de “Comemoração do Centenário do Ensino Médico”, o Dr. José Pereira Rego Filho foi um dos 35 Acadêmicos que participaram de sua confecção, tendo sido a dele uma das mais vastas e minuciosas colaborações, ocupando 296 das 749 que contém o livro todo, o que representa mais de um terço da obra total.

Na Academia Nacional de Medicina, sua dedicação à instituição ficou eternizada na forma de busto em bronze, de autoria de Rodolpho Pinto do Couto.

Faleceu em 4 de maio de 1929, no Rio de Janeiro.