Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Joaquim Pereira da Motta (Cadeira No. 41)

Membro Titular

Secção de Medicina

Cadeira No. 41 - Patrono: José Martins da Cruz Jobim

Eleito: 23/09/1928 - Posse: 06/12/1928 – Sob a presidência de Miguel de Oliveira Couto

Saudado por: Eduardo Rabello

Antecessor: José Mendes de Tavares

Falecido: 26/01/1952

Nasceu em 19 de dezembro de 1894, no Rio de Janeiro. Filho de Miguel Pereira da Motta e de D. Elvira Ramos Motta.

Doutorou-se pela Faculdade Nacional de Medicina em 1917, com a tese intitulada “Suprarrenalite palustre”, que foi aprovada com distinção e condecorada com a medalha de ouro, correspondente ao “Prêmio Torres Homem”. Cursou Microbiologia e Parasitologia no Instituto Oswaldo Cruz.

Ingressou no Serviço Médico do Exército e, algum tempo depois, conquistou um cargo de inspetor sanitário do Departamento Nacional de Saúde Pública, chefiando, a seguir, o laboratório da antiga Inspetoria de Profilaxia da Lepra e Doenças Venéreas.

Realizou um estágio docente na Europa, na Clínica de Pautrier e no Hospital St. Louis. Em 1925, quando o Acadêmico Eduardo Rabello assumiu a cadeira de Dermatologia da Faculdade Nacional de Medicina, o Dr. Pereira da Motta formou-se como um de seus assistentes.

Foi eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 1928, apresentando a memória intitulada “Aspectos e sintomas da lepra dissimulada”. Em sua cerimônia de posse, que ocorreu 6 de dezembro do mesmo ano, foi recebido e saudado pelo Acadêmico Eduardo Rabelo.

Além disso, também foi presidente por dois anos da Sociedade Brasileira de Dermatologia e presidente da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro.

Em 1936, quando se fundou a Faculdade de Ciências Médicas do Rio de Janeiro, foi convidado a ser Professor da Clínica Dermatológica. Ficou famoso por ser um dos mais queridos professores dos alunos daquele corpo docente.

Foi reconhecido por muitos médicos de sua categoria como um exemplo de sanitarista, cientista, professor e clínico.

Faleceu no dia 26 de janeiro de 1952, aos 58 anos, na cidade do Rio de Janeiro.