Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

João Damasceno Peçanha da Silva

Membro Titular

Eleito: 18/08/1866 - Posse: 18/09/1866 – Sob a presidência de José Pereira Rego (Barão do Lavradio)

Falecido: 28/09/1893

Nascido em 1839, no Rio de Janeiro. Filho de Antônio José da Silva. Graduou-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 25 de novembro de 1862, defendendo tese de doutoramento intitulada “Angins Diftérica”.

Lente Substituto da Secção de Ciências Médicas e Professor de Patologia Médica da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1875.

As Memórias Históricas da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro foram criadas pelos Estatutos de 1854 (decreto nº1.387), o qual no seu artigo 197 determinava que a Congregação da Faculdade deveria, na sua última sessão anual, escolher entre os membros um relator para a Memória Histórica, a qual informaria não só sobre os acontecimentos mais importantes como também faria uma exposição das doutrinas divulgadas tanto nos cursos públicos quanto nos particulares. Este relato, após a aprovação da Congregação, serviria de crônica da Faculdade. O Regulamento Complementar dos Estatutos da Faculdade (1856) dispõe, ainda, que o Diretor deveria remeter cópias das Memórias Históricas ao Governo e a quem este determinasse, como também poderia encaminhar exemplares à outra faculdade de medicina (Bahia) e aos Lentes.

A Memória Histórica, de autoria de João Damasceno Peçanha da Silva, para o ano de 1880, segundo os relatos, teve seu texto recusado por um parecer da Congregação porque expunha denúncias sobre o estado do ensino médico no país. Inúmeras memórias, como esta, não foram impressas, e seus originais não foram localizados, outras, especialmente as elaboradas até o final do período monárquico, foram publicadas como parte integrante dos Relatórios do Ministro e Secretário de Estado dos Negócios do Império.

Escreveu o importante “O Tratado das Febres”, de 1886.

Na ocasião de sua posse na Academia Nacional de Medicina, apresentou memória intitulada “Sobre a Degenerescência Gordurosa do Coração”.

Faleceu a 28 de setembro de 1893, no Rio de Janeiro.

Agenda