Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Henrique Alexandre Monat (Cadeira No. 34)

Membro Titular

Secção de Cirurgia

Cadeira No. 34 - Patrono: Marcos Bezerra Cavalcanti

Eleito: 12/12/1882 - Posse: 12/12/1882 - Sob a presidência de José Pereira Rego (Barão do Lavradio)

Falecido: 03/02/1903

 

 

Nasceu na Bahia, na cidade do Salvador, em 6 de junho de 1855.

Filho de Henri Honoré Monat, nascido em França, e de Flávia de Borja Castro Monat, originária da Bahia, irmã do ilustre engenheiro, professor e diretor da antiga Escola Central do Rio de Janeiro, conselheiro Borja Castro.

Bacharelou-se em Paris, no Liceu Bonaparte, tendo feito todos os estudos naquela cidade, desde a primeira infância. Iniciou os estudos médicos na Bahia, terminando no Rio de Janeiro e sendo-lhe colado grau em 1879 em Salvador, com toda a turma. Faziam parte deste grupo os Drs. Francisco de Castro, Ismael da Rocha, Vicente de Souza, Freitas Henrique e muitos outros portadores de nomes ilustres.

Henrique Alexandre Monat fez onze concursos para a Faculdade de Medicina no Rio de Janeiro, tendo sempre alcançado o primeiro lugar. Nesta Faculdade exerceu o cargo de preparador de Anatomia Descritiva. Fez concurso para a cadeira de Frances do Colégio Pedro II, então Ginásio Nacional, durante o governo Campos Salles. Exerceu a cadeira durante poucos anos, vindo a falecer em 3 de fevereiro de 1903, aos 47 anos. Foi nomeado para esta cadeira a 10 de abril de 1900. Foi membro da Academia Nacional de Medicina.

Dentre os trabalhos que publicou, destacam-se o “Método Prático de Frances”, “Caxambu”, e “Estudo Sobre Sinônimos, Parônimos e Antônimos”.

No campo da Medicina, podemos citar as seguintes publicações: “Das Gangrenas”, “Anatomia Patológica”, “Histologia dos Epitélios”, “Réplica Sobre o Novo Uretrônomo do Dr. Bulhões”, “Tratamento Radical da Hidrocele” (1889, Brasil-Médico, pp. 19 e 113), “Tratamento dos Estreitamentos da Uretra” (1890), Brasil-Médico, p. 390, “Cálculo Renal”, “Migração pela Massagem”, “ Litotricia“ (1891, Brasil-Médico, p. 78), “Duas Pedras na Bexiga, uma porção prostática da Uretra”, “Talha Hipogástrica” (1891, Brasil-Médico, p. 365), “Cistite – Fístulas Urinárias – Talha – Extirpação das Fístulas” (1892, Brasil-Médico, ano 6, p. 33), “Moléstias das vias urinárias – Cistite Tuberculosa – Cistotomia” (1892, Brasil-Médico, ano 6, p. 2), “Comunicação à Academia Nacional de Medicina Sobre uma Cura de Talha Hipogástrica e de Nefrectômia” (1892, Brasil-Médico, ano 4, p. 18), “A propósito do projeto da criação de uma cadeira de clínica das moléstias dos órgãos gênito-urinários” (1892, Gazeta Médica da Bahia, ano 29, p. 316 ), “Da eletrólise nos estreitamentos da uretra” (1882/3, Brasil-Médico, p. 34), “Da eletrólise nos estreitamentos da uretra – Resposta do Dr. Costa Lobo”.

Em 1886 foi fundador da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, Número coluna XLIV número 1 – julho, 1930, dos Anais Brasileiros de Medicina e Cirurgia, encontra-se todo o histórico de sua fundação.

Foi, durante algum tempo, redator da Revista da Sociedade da Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro. Existe de seu invento um aparelho para operações da uretra, o qual foi largamente usado, inclusive no Hospital Necker, em Paris. Na questão Castro Malta foi convidado para perito pelo jornal “O País”, do qual foi assíduo colaborador em questões científicas. A primeira tentativa do estabelecimento entre nós de um serviço de identificação data 1889. Foi o Dr. Henrique Monat quem sugeriu a sua criação, logo no início do governo republicano, durante a primeira administração Sampaio Ferraz. Mais tarde, voltou por duas vezes à França, onde fez estudos de aperfeiçoamento.

Faleceu em 03 de fevereiro de 1903, na cidade do Rio de Janeiro (RJ).