Academia Nacional de Medicina

Português Inglês


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Francisco de Castro (Cadeira No. 14)

Membro Titular

Secção de Medicina

Patrono da Cadeira No. 14

Eleito: 26/07/1881 

Falecido: 11/10/1901

O Dr. Francisco de Castro nasceu em Salvador, em 17 de setembro de 1857, e faleceu no Rio de Janeiro, em 11 de outubro de 1901, filho de Joaquim de Castro Guimarães e de Maria Heloísa de Matos Castro.

Logo cedo ficou órfão de mãe, e o pai, negociante, empenhou-se em lhe dar esmerada educação, e encaminhou-o para o Ateneu Baiano, após o que ingressou na Faculdade de Medicina da Bahia em março de 1874, formando-se em 1879. Durante o curso acadêmico, deixou-se atrair pelo convívio literário, tendo, entre seus companheiros, Guilherme de Castro Alves, irmão de Castro Alves. A admiração pelo Poeta dos Escravos exerceu decisiva influência na sua poesia, emprestando-lhe a sua feição condoreira (parte de uma escola literária da poesia brasileira, a terceira fase romântica, marcada pela temática social e a defesa de ideias igualitárias).

Destacou-se desde cedo por sua notável inteligência. Foi filósofo, poeta, clínico, cientista e orador.

Candidatou- se à Academia Imperial de Medicina com a memória “Centros Córticos e Psicogênicos” tomando posse em 1881. É Patrono da Cadeira No. 14 da Academia Nacional de Medicina.

Foi professor da cadeira de Clínica Propedêutica e, em 1901, diretor da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Paralelamente ia exercendo a atividade de escritor, em livros de assuntos médicos e proferindo discursos publicados depois de sua morte. Poeta, ainda inspirado no Romantismo, publicou versos também sob o pseudônimo Luciano de Mendazza. Reuniu-os num volume, ao qual deu o título de “Harmonias Errantes” , livro que mereceu uma introdução de seu amigo Machado de Assis.

Francisco de Castro deixou uma tradição de bondade extrema, e seu grande exemplo foi lembrado por gerações sucessivas de médicos. Muitos o chamavam “o divino Mestre”, conservando o culto de sua figura, que ficou sendo uma espécie de patrono deles todos.

Segundo a Academia Brasileira de Letras, Rui Barbosa se expressou: “Era Castro, em nossa terra, a mais peregrina expressão de cultura intelectual que jamais conheci. Tenho encontrado, em nossos naturais, aliás raramente, artistas e sábios. Mas nele se me deparou, entre brasileiros, o primeiro exemplo e único até hoje, a meu parecer, de um sábio num artista. Em Francisco de Castro brilhava a mesma vocação consumada nas Letras e na Medicina”.

Foi eleito para a Cadeira No. 13 da Academia Brasileira de Letras, em 10 de agosto de 1899, na sucessão do Visconde de Taunay, não chegou a tomar posse. Deveria ser saudado pelo acadêmico Rui Barbosa.

Era pai do também Acadêmico Aloysio de Castro, da Academia Brasileira de Letras e da Academia Nacional de Medicina.

 

Perfil pelo Acadêmico Francisco Sampaio


Av. General Justo, 365, 7° andar
Rio de Janeiro - 20.021-130
Tel: (21) 3970-8150