Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Érico Marinho da Gama Coelho (Cadeira No. 16)

Membro Titular

Secção de Medicina

Patrono da Cadeira No. 16

Eleito: 25/05/1886 - Posse: 01/06/1886 - Sob a presidência de Agostinho José de Souza Lima

Falecido: 26/11/1922

Nascido a 07 de março de 1849, em Cabo Frio (RJ), filho de Jacinto José Coelho e D. Engrácia da Gama Coelho. Seu pai foi um dos fundadores do Instituto da Ordem dos Advogados no Rio de Janeiro, então capital do Império.

Graduou-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1870, defendendo tese de doutoramento intitulada “Diagnóstico diferencial dos tumores do seio”.

Maçom, foi também seguidor da Igreja Evangélica Brasileira, fundada em setembro de 1879 por Miguel Vieira Ferreira, e reconhecida pelo governo imperial brasileiro.

Especializando-se desde logo em obstetrícia e ginecologia, clinicou o jovem parteiro em São Fidélis, em cuja vida calma e tranquila logrou vagares para o mais aprofundado estudo, apresentando-se alguns anos mais tarde candidato para Professor daquelas cadeiras na Faculdade de Medicina. Seu concurso tornou-se memorável por mais de um motivo: tratava-se de um moço republicano que, pelas colunas do Jornal “O Povo”, fazia a mais ardosa propaganda antimonárquica.

Lente catedrático de Clínica Obstétrica e Ginecológica em 1883, nomeado pelo próprio imperador Dom Pedro II, e diretor da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1889.

As responsabilidades de ardoso propagandista, o seu feitio combativo e naturais pendores à luta encaminharam-no à política. Exerceu a função de Promotor Público no município de Piraí e em seguida fora promovido ao cargo de Juiz Municipal na cidade de Cabo Frio. Foi, durante cerca de vinte anos, deputado e, mais tarde, elegeu-se Senador pelo estado do Rio de Janeiro. No Senado, foi Membro das Comissões de Saúde, Estatística e Colonização e Finanças. Publicou uma série de discursos feitos da tribuna em defesa do divórcio. Além deste fato, era apologista da emancipação social e política do sexo feminino.

Em 1920, reassumiu a cátedra de Obstetrícia da Faculdade de Medicina e, por esse motivo, a direção da Maternidade de Laranjeiras.

Precursor da medicina sugestiva no Brasil, afirmando por favor experimentais a sugestão mental do tempo em que o célebre Charcot negava a realidade desse fenômeno psíquico.

Na ocasião de sua posse na Academia Nacional de Medicina, apresentou memória intitulada “Algumas observações do beribéri examinadas no ponto de vista psicológico”. Na instituição, escreveu “Mola hidatiforme” (1883); “Aula inaugural da cadeira de clínica obstetrícia” (1884); “Reforma da Faculdade de Medicina” (1886); “Influição mental da mulher sobre o feto” (1887); “Biblioteca Republicana” (1888); “Reforma da Faculdade de Medicina” (1890); “Pornografia contra pornografia” (1892); “Tratamento da febre amarela pela cloroformização permanente” (1918); “O determinismo da função mamária independe do estímulo ovariano” (1918) e “Tratamento da gripe pelo extrato tonsilar” (1918).

Faleceu no Rio de Janeiro, a 26 de novembro de 1922.