Academia Nacional de Medicina

Português Inglês


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Edmundo Vasconcelos (Cadeira No. 30)

Membro Titular

Secção de Cirurgia

Cadeira No. 30 - Patrono: Jorge Soares de Gouvêa

Eleito: 09/09/1971 - Posse: 02/12/1971

Saudado por: Inaldo de Lyra Neves-Manta

Antecessor: Jorge Moraes Grey

Falecido: 10/11/1990

Nasceu em São Paulo, Capital, em 16 de maio de 1905.

Iniciou seus estudos no Colégio São Bento, tendo sido durante todo o curso o primeiro aluno, conquistando todos os anos “medalhas de ouro” e “Menção Honrosa”. Ingressou na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, onde fez o 1° ano, sendo aprovado com distinção em todas as matérias. Transferiu se para a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, onde diplomou se em 1928. Defendeu tese na Cadeira de Clínica Cirúrgica, com o trabalho “Cirurgia dos Divertículos do Esôfago”, num estudo clinico e experimental, tendo proposto uma nova técnica cirúrgica, a fim de evitar a reincidência da moléstia. Sua tese foi aprovada com distinção. Com a mesma concorreu ao prêmio de cirurgia instituído pela Sociedade de Medicina e Cirurgia de São Paulo, tendo obtido o prêmio Botelho de 1928.

Em abril de 1925, ainda como estudante, ingressou para a clínica cirúrgica do professor Benedito Montenegro, de cujo serviço clínico particular foi o “chefe de clínica” durante dez anos.

Em 1931, ingressou como 1o assistente e chefe de laboratório da cadeira de técnica cirúrgica e cirurgia experimental, tendo sido efetivado aos 14 de fevereiro desse ano.

Foram inúmeras as suas realizações e inovações no âmbito da cirurgia. Dentre elas destaca se a metodização cirúrgica que ele publicou em detalhes, divulgando a para os diversos serviços universitários do país. A importância dessa metodização era especificar as atribuições e tarefas da equipe cirúrgica, com os tempos técnicos do ato operatório sincronizados, sempre numa seqüência perfeita, um trabalho que, ao lado da função artesanal, tinha muito de artístico e harmonioso. Mantinha se a hierarquia dentro da sala de operações e cada elemento aprendia exatamente suas atribuições, havendo um cuidado escrupuloso para com os atos fundamentais de diurese, hemostasia e síntese, além da exploração endocavitária, trazendo como conseqüência um menor tempo operatório e anestésico em benefício do paciente. Ao terminar a intervenção exigia se que a mesa do instrumental cirúrgico devesse apresentar a mesma disposição e arranjo com que a iniciara.

Fez parte de diversas associações, entre elas: Academia Paulista de Letras; Sociedade de Medicina e Cirurgia de São Paulo, hoje, Academia de Medicina de São Paulo; Associação Paulista de Medicina; Sociedade de Biologia de São Paulo; Associação Médica do Instituto Penido Burnier de Campinas (sócio honorário); Sociedade Internacional de Cirurgia; Colégio Americano de Cirurgiões; Associação Argentina de Cirurgia (sócio titular) e Sociedade de Gastroenterologia de Nova York.

Ocupou muitos cargos e diversas funções, destacando-se cirurgião do Sanatório Santa Catarina e do Hospital Alemão; cirurgião-chefe dos Sanatórios Populares de Campos do Jordão; do Sanatório Santa Cruz e chefe da clínica particular do professor Benedito Montenegro.

Seu nome é honrado com um importante hospital da capital paulista, situado na rua Borges Lagoa, na Vila Clementino.

Faleceu em 10 de novembro de 1990.


Av. General Justo, 365, 7° andar
Rio de Janeiro - 20.021-130
Tel: (21) 3970-8150