Academia Nacional de Medicina

Português Inglês


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Sessão de 14 de setembro de 2017 - Relação médico-paciente é tema da Aula no Curso de Atualização da ANM

A edição da última quinta-feira (14) do Curso de Atualização em Ciências Médicas abordou os principais aspectos da relação médico-paciente. O palestrante convidado foi o Acadêmico José de Jesus Peixoto Camargo, graduado em Medicina pela UFRGS e fellow da Clínica Mayo (EUA). É Mestre em Ciências Pneumológicas pela UFRGS e foi pioneiro em transplantes de pulmão na América Latina, e é responsável por 2/3 de todos os transplantes de pulmão realizados em território brasileiro. Atualmente é Diretor do Centro de Transplantes da Santa Casa de Porto Alegre. É escritor, colunista do Jornal Zero Hora, autor de 04 livros de crônicas e membro da Academia Brasileira de Médicos Escritores (ABRAMES). Na Academia Nacional de Medicina, ocupa a cadeira nº 22.

Em tom de conversa, contando casos que ilustram a atual relação médico-paciente em nossos tempos, o Dr. J.J. Camargo encantou a platéia de alunos do curso, com sua prosa fácil e inteligente.

- Médico tem que gostar de gente - disse o palestrante.

O Acadêmico Camargo iniciou a conferência afirmando que a relação médico-paciente é definida por complexas interações psicossociais entre o médico e o paciente. E que a principal virtude do médico, na relação médico-paciente, é a empatia, ou seja, a capacidade de se colocar no lugar do outro.

- Os médicos devem verdadeiramente ouvir o que os pacientes pensam do que está acontecendo. E não subestimar o sentimento de quem está se sentindo ameaçado ou vulnerável. Ouvir, tentar se colocar no lugar do outro, é muito importante – afirmou J.J. Camargo.

Ressaltou também que as consultas por planos de saúde, a rapidez com que os médicos querem terminar os atendimentos, o excesso de tecnologia em detrimento da anamnese e exame físico, são alguns dos fatores que estão contribuindo para esta deterioração da relação médico-paciente.

O Dr. J. J. Camargo contou algumas histórias e casos pitorescos durante a palestra. Uma delas foi sobre um paciente com câncer que se tornou muito amigo dele. O paciente chegou em sua primeira consulta muito angustiado e a primeira coisa que o doutor Camargo fez foi levantar-se da sua cadeira, contornar a mesa e sentar-se ao lado do paciente. Conversaram e analisaram os exames ali. No fim do tratamento, meses depois, com o paciente já em fase terminal, este paciente virou para o Dr. Camargo e disse:

- Doutor, eu fui muito bem tratado, estamos chegando ao fim, foi uma parceria que valeu a pena, mas eu quero dizer que a melhor coisa que recebi durante todo o tratamento foi aquele dia em que você contornou a mesa para se sentar ao meu lado.

Outra história também muito interessante, narrada pelo palestrante foi a de um menino de 11 anos que tinha caído de uma construção e havia chegado em coma ao hospital. O palestrante conta:

- Dez dias depois, o garoto foi considerado em morte encefálica. Aquilo para mim foi o horror. Quando saí da UTI, com diagnóstico de morte encefálica, a secretária me encontrou no corredor do hospital e comunicou que havia nove pacientes a minha espera. Como não tinha condições de atender ninguém, pedi a ela que passasse os nove ao mesmo tempo para a minha sala. Eles entraram, obviamente, com ar de surpresa. Eu relatei o que tinha acontecido, que eu estava muito mal e queria saber deles se estavam com alguma situação de urgência para que eu providenciasse outro médico para atendê-los. Caso contrário, gostaria muito que voltassem no dia seguinte, porque, naquele momento, eu precisava muito sair do hospital para chorar. Houve uma comoção geral naquela sala de consultório. No dia seguinte, eles voltaram todos! Entenderam perfeitamente a situação do médico e muitos deles criaram vínculos eternos e de amizade comigo.

Outra história relatada pelo palestrante foi quando ele encaminhou um paciente para um grande cirurgião, seu colega, excelente profissional e tecnicamente muito bem-formado. O paciente foi ao médico, se consultou e disse, quando retornou ao consultório do Dr. Camargo, que não havia gostado do colega indicado e nem da consulta, e que queria a indicação de um outro colega para tratar do seu problema.

- Achei, Doutor, que seu colega tem muita pressa e é uma pressa maligna. Ele inclusive, ao me despir, arrancou um botão da minha camisa.

- Bem, mas o senhor considerou que este botão poderia estar solto ou frouxo? - disse o Dr. Camargo.

- Considerei Doutor, mas quando minha esposa foi pegar o botão no chão, havia outro botão lá, de outra camisa, de outro paciente.

Ou seja: apesar do colega ser muito bom tecnicamente e bem formado, no seu cotidiano profissional, o que ele queria era “se livrar” do paciente, ou acabar rápido com o processo de consulta.

- Entre dois médicos qualificados, o paciente sempre vai optar e se sentir mais confortável, com aquele que tiver um olhar mais humano – contou o conferencista.

Durante toda a aula, muitas destas histórias e casos foram transmitidos, com extrema beleza e vivacidade, pelo Acadêmico J.J. Camargo. Não há dúvidas que o humanismo na relação médico-paciente é um aspecto fundamental para a consolidação desta relação, e foi isso que o Dr. Camargo mostrou em sua belíssima apresentação.


Av. General Justo, 365, 7° andar
Rio de Janeiro - 20.021-130
Tel: (21) 3970-8150