Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Daniel de Oliveira Barros D'Almeida (Cadeira No. 29)

Membro Titular

Secção de Cirurgia

Patrono da Cadeira No. 29

Eleito: 01/08/1901 - Posse: 16/08/1901 – sob a Presidência de Nuno Ferreira de Andrade

Saudado por: Nuno Ferreira de Andrade

Falecido: 14/01/1919

O Dr. Daniel de Oliveira Barros D'Almeida nasceu no dia 6 de abril de 1858, em Recife, no Estado de Pernambuco, filho do médico Rufino Augusto d’Almeida e de D. Emerentina Oliveira Barros d’Almeida.

Doutorou-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1880, defendendo tese intitulada “A patologia da placenta”. Sua tese foi amplamente aclamada dentro do corpo acadêmico da época e foi então convidado, aos 22 anos de idade, a ser diretor do Asilo de Menores Desvalidas, depois Instituto Profissional. Ele permaneceu nesta posição até optar por se dedicar de forma mais empreendedora aos estudos de cirurgia.

Em agosto de 1882, foi convidado a ser regente da Cadeira de Clínica Obstétrica da faculdade onde se formou, mas recusou o convite, alegando ser apto apenas para ser assistente. Neste mesmo ano, foi encarregado pelo governo imperial de montar e dirigir o Hospital de Santa Bárbara, destinado ao tratamento dos pacientes acometidos por varíola.

Durante a Revolução Federalista no sul do Brasil, serviu como cirurgião, em 1893, ao lado das forças revolucionárias e atendeu aos feridos de ambos os lados.

O Dr. Daniel D’Almeida, como exilado político no final do século XIX, vai para Elvas, em Portugal, porque ficava próximo da fronteira espanhola que, no caso de o governo português ceder às exigências do então Presidente Floriano Peixoto para a entrega dos exilados políticos, poderia facilmente atravessá-la.

Atendeu, também, diversos oficiais da armada, durante a Guerra de Canudos, na Bahia, entre os anos de 1896 e 1897, o que lhe rendeu o agradecimento do Presidente da República.

Foi interno e médico adjunto da Santa Casa de Misericórdia e, por duas vezes, ocupou, interinamente, a regência da cadeira de Clínica Obstétrica e Ginecológica da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

A sua atuação como grande comunicador da medicina e estudioso, fez com que fosse reconhecido à época por seus pares e por Marshall Mcluhan (o chamado “papa da comunicação”) como um grande mestre da anestesiologia do Brasil, sobretudo por ter aberto um grande debate científico e conseguido reformular a raqui-anestesia. Além disso, foi o médico cirurgião que introduziu a utilização do éter como anestésico no Brasil.

Foi eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 1901, apresentando Memória intitulada “A peste antiga e a peste moderna”. É o Patrono da Cadeira 29.

Foi vice-presidente da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de janeiro. É, também, o Patrono da Cadeira 13 da Academia Brasileira de Medicina Militar.

Em 1902, assumiu a 24ª Enfermaria, posteriormente 23ª, da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro. Foram seus assistentes os mais tarde famosos Álvaro Ramos, Brandão Filho, Fernando Vaz, Jorge Gouvêa e muitos outros

Foi colaborador do periódico “Brasil Médico” e da “Gazeta Clínica” de São Paulo. Dentre seus trabalhos publicados destacam-se: “Ação tóxica da Cocaína” (1879), “Do éter como anestésico em cirurgia” (1896), “Analgesia pelas injeções subaracnoideanas lombares da cocaína – processo Tiffier” (1900), “Um acidente produzido pela tropocaína” (1901), “A escopolamina como anestésico geral” (1905) e “Anestesia e analgesia na prática cirúrgica” (1905).

O Dr. Barros D'Almeida faleceu no Rio de Janeiro, no dia 14 de janeiro de 1919.

Agenda