Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Aniversário da ANM é comemorado em solenidade no dia 30 de junho de 2016

Com a presença do corpo Acadêmico, diversas autoridades e convidados, a Academia Nacional de Medicina, instituição científico‐cultural mais antiga do Brasil em atividade, comemorou seus 187 anos em solenidade realizada na sede da instituição, no Centro do Rio de Janeiro.

Acadêmicos reunidos na Sessão Solene em comemoração aos 187 anos da Academia Nacional de Medicina

A Mesa Diretora da solenidade foi composta pelo Dr. Luiz Antônio Teixeira Júnior, Secretário Estadual de Saúde do RJ; o Deputado Federal Júlio Lopes, o Dr. Ricardo José Magalhães Barros, Ministro de Estado da Saúde; o Acad. Francisco Sampaio Presidente da Academia Nacional de Medicina (ANM), o Acad. Omar Lupi, Tesoureiro da ANM, o Acad. Claudio Cardoso de Castro, Secretário da ANM, e o Dr. Jair Vinicius Ramos da Veiga, Diretor de Gestão dos Hospitais Federais; Dr. Sidnei Ferreira, do Conselho Federal de Medicina, o Dr. Luiz Augusto de Freitas Pinheiro, Presidente da ACAMERJ; o Juiz Francisco Horta, Provedor da Santa Casa de Misericórdia do RJ; Prof. Jorge Guimarães, Presidente da Embrapii; e o Prof. Luiz Davidovich, Presidente da Academia Brasileira de Ciências; os ex-Presidentes Acadêmicos Pietro Novellino e Marcos Moraes; o Prof. Paulo Gadelha, Presidente da Fundação Oswaldo Cruz; o Dr. Pedro Grossi Junior, Presidente do Jornal do Brasil e Benemérito da Academia Nacional de Medicina; o Dr. Nelson Nahon, Vice-Presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro e o Dr. Jorge Darze, Presidente do Sindicato Médico do Rio de Janeiro.

Após a execução do Hino Nacional, o Acadêmico Omar Lupi da Rosa Santos fez a leitura das mensagens de congratulação recebidas pela Academia Nacional de Medicina. Em seguida, o Acadêmico Claudio Cardoso de Castro apresentou o relatório de atividades acadêmicas realizadas no período de 16 de julho de 2015 a 23 de junho de 2016, destacando, além dos Simpósios realizados e dos documentos oficiais publicados, o processo de renovação pelo qual passou a instituição, aumentando seu contato com o público em geral e promovendo ações de aproximação com os estudantes, através de cursos e simpósios, redes sociais, internet, etc.

O orador oficial, Acadêmico Carlos Antonio Mascia Gottschall, proferiu discurso de alocução aos Acadêmicos falecidos: Gilberto Mendes de Oliveira Castro (falecido a 05 de agosto de 2015), Anna Lydia Pinho do Amaral (falecida a 25 de junho de 2015), Hélcio Alvarenga (falecido a 29 de agosto de 2015) e Clementino Fraga Filho (falecido a 11 de maio de 2016). Saudou também os novos Acadêmicos Carlos Eduardo Brandão Mello e Marcelo Marcos Morales.

Em conformidade com o Artigo 5º. do Regimento Interno da Academia Nacional de Medicina, foi outorgado diploma de Vice‐Presidente Honorário da Academia Nacional de Medicina ao senhor Ministro de Estado da Saúde, Dr. Ricardo José Magalhães Barros, que proferiu discurso destacando a importância da cooperação entre todas as esferas de poder envolvidas na área saúde e da boa gestão dos recursos, apesar do delicado momento pelo qual passa o país.

Dr. Ricardo José Magalhães Barros (Vice-Presidente Honorário da ANM) e o Acadêmico Francisco Sampaio (Presidente da ANM)

Em marcante momento da cerimônia, os ex‐Presidentes Pietro Novellino e Marcos Moraes receberam a Medalha Perpétua de Presidente da Academia Nacional de Medicina. O Acadêmico Yvon Toledo Rodrigues recebeu o Diploma de Membro Emérito da Academia Nacional de Medicina, com todas as prerrogativas de Membro Titular e com a prerrogativa adicional de dar quórum eleitoral em quaisquer Secção.

O Presidente Acad. Francisco Sampaio entregou a Medalha Perpétua de Presidente aos Acads. Marcos Moraes (à esquerda) e Pietro Novellino (à direita)

O Acadêmico Yvon Rodrigues cumprimenta o Presidente Acadêmico Francisco Sampaio 

Como parte das atividades desempenhadas, a Presidência reformulou os Prêmios e criou o Prêmio Presidente da Academia Nacional de Medicina, que é subdividido de acordo com cada uma das Secções. Na noite do dia 30, foram entregues dois prêmios.

Na área de Cirurgia, foram premiados dois trabalhos. O prêmio foi uma homenagem ao Fundador Joaquim Candido Soares de Meirelles. O Acadêmico Soares de Meirelles nasceu em Sabará, Minas Gerais em 5 de novembro de 1797 e faleceu no Rio de Janeiro em 13 de julho de 1868. Formou-se em Medicina em 1822 na então Academia Médico-Cirúrgica do Rio de Janeiro (atual UFRJ) e foi cirurgião-mor e político. Em 30 de junho de 1829, juntamente com os médicos José Francisco Xavier Sigaud, José Martins da Cruz Jobim, Jean Maurice Faivre e Luiz Vicente De Simoni, fundou a Sociedade de Medicina do Rio de Janeiro, depois Academia Imperial de Medicina (e atual Academia Nacional de Medicina) da qual foi o primeiro Presidente eleito. Foi Presidente em 1829-30, 1833, 1835-38, 1845-48. Em seu mandato, elevou a Sociedade à categoria de Academia Imperial de Medicina. A entrega do prêmio ficou a cargo do Acadêmico Pietro Novellino e os premiados foram os Professores Antonio Rodrigues Braga Neto, da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, e Luciano Alves Favorito, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

O Acad. Pietro Novellino entrega prêmio ao Prof. Antonio Rodrigues Braga Neto

 

Acad. Pietro Novellino e o premiado Prof. Luciano Alves Favorito

Na área de Medicina, o prêmio foi uma homenagem ao Acadêmico Antônio Austregésilo Rodrigues Lima, patrono da Cadeira No. 11. Austregésilo nasceu em Recife, Pernambuco, em 21 de abril de 1876 e faleceu na cidade do Rio de Janeiro, em 23 de dezembro de 1960. Era de origem humilde, negro e portador de gagueira, e apresentou ainda tiques na infância. Aos 16 anos de idade ingressou na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, formando-se em 1899, defendendo a tese "Estudo clínico do delírio". Foi criador da primeira escola de neurologia do Brasil, tendo sido o primeiro professor da Cátedra de Neurologia da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1912. Foi substituído por Deolindo Couto, Bernardo Couto e Sérgio Novis, todos Membros Titulares da Academia Nacional de Medicina. Foi presidente da Academia Nacional de Medicina (1934-1937; 1945-1947; 1949/1951) e da Academia Brasileira de Letras (1939), e é considerado o pai da neurologia brasileira. Foi ainda deputado federal por Pernambuco, de 1922 a 1930. Foi um dos precursores da psicanálise no Brasil. Teve sua carreira muito influenciada por ideias psicanalíticas e, em 1919, publicou seu primeiro livro, intitulado "Sexualidade e Psiconeuroses". Trabalhou com psicoterapia por mais de 40 anos. Chegou a criar sua própria concepção psicoterápica, combinando neurologia e psicanálise. Foi premiado trabalho de autoria do Professor Alberto Rasia Filho e co‐autores, da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre. A entrega do prêmio ficou a cargo do Acadêmico Marcos Moraes.

O Acad. Marcos Moraes e o Prof. Alberto Rasia Filho

O Presidente Acadêmico Francisco Sampaio encerrou a solenidade proferindo emocionado discurso sobre a trajetória da Academia Nacional de Medicina e as perspectivas para o futuro da instituição. Sobre a história da instituição, destacou‐se que a fundação se deu sob o reinado do imperador D. Pedro I, em 30 de junho de 1829, sob o título de Sociedade de Medicina do Rio de Janeiro. O Presidente reforçou que os objetivos de contribuir para o estudo, a discussão e o desenvolvimento das práticas da medicina, cirurgia, saúde pública e ciências afins, além de servir como órgão de consulta do Governo Brasileiro sobre questões de saúde e de educação médica se mantém vivos nas ações da Academia.

Destacou a ampliação da abertura da Academia Nacional de Medicina à sociedade médica em geral, através de atividades científico‐culturais de grande impacto. O aumento da visibilidade da Academia por meio dos diversos meios de comunicação ‐foram mais de 120 matérias na imprensa escrita, televisiva e falada nos últimos 12 meses ‐ também foi mencionado como prova do intenso trabalho e da contínua renovação e atualização, que são características primordiais da instituição.

O Presidente Acad. Francisco Sampaio agradeceu aos Beneméritos Maurício Dinepi, Presidente dos Diários Associados e Dr. Pedro Grossi Junior, Presidente do Jornal do Brasil, pelo apoio oferecido à Academia nos últimos 12 meses. Agradeceu, ainda, ao jornal O Globo, Super Rádio Tupi, Globo News e Folha de São Paulo, pelo grande espaço que a Academia obteve na mídia.

Foi feito anúncio de que a recuperação do acervo da Academia, incluindo a importante coleção de óculos, móveis, pinturas, gravuras e esculturas, será objeto de publicação de alguns livros, tendo sido lançado o primeiro deles, intitulado dos “Quadros da Academia Nacional de Medicina e suas Histórias”, entregue a todos os convidados.

O Presidente chamou atenção para a reforma do Regimento Interno, iniciada na gestão Pietro Novellino, que culminou na implementação, após 187 anos, do voto por correspondência para os Acadêmicos impossibilitados de comparecer e que foi exercido pela primeira vez na história da Academia em 16 de junho de 2016. Além deste fato, foi destacado também que, por iniciativa e ação do Acadêmico Barros Franco, foi firmado convênio com o importante laboratório Fleury, em todas as suas unidades, para atendimento aos Acadêmicos e cônjuges, a preço de custo, nas pessoas do Dr. Carlos Eduardo Mocelin e Dra. Renata Gomes Nunes, a quem o Presidente agradeceu publicamente.

Por fim, o Presidente Acadêmico agradeceu a todos pela colaboração que a Diretoria tem recebido e pela participação de todos em prol do objetivo comum, que é o crescimento ininterrupto da quase bicentenária Academia Nacional de Medicina.

Ao final da solenidade, foi oferecido coquetel aos convidados no Salão Nobre, onde os Acadêmicos se reuniram para festejar os 187 da Academia.

Acadêmicos reunidos para celebrar o aniversário da ANM