Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Eduardo Chapot-Prévost (Cadeira No. 81)

Membro Honorário Nacional

Secção de Ciências Aplicadas à Medicina

Patrono da Cadeira No. 81

Eleito: 15/06/1905 - Posse: 23/06/1905 – Sob a presidência de Joaquim Pinto Portella

Falecido: 19/10/1907

 

Eduardo Chapot-Prévost nasceu na cidade Cantagalo, no Estado do Rio de Janeiro, em 25 de junho de 1864, filho de Louis Chapot-Prévost, cirurgião dentista, de nacionalidade francesa, e de D. Louisa Lend Chapot-Prévost, de nacionalidade belga.

Fez os cursos preparatórios no Colégio Pedro II, matriculou-se no curso de medicina na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, em 1880, e, devido a atritos escolares, doutorou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia, em 1885, defendendo a tese intitulada “Formas clínicas do puerperismo infeccioso e seu tratamento”.

Na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, foi Professor Adjunto interino de Anatomia, em 1886, e de Histologia, em 1888, tendo logrado conquistar a cátedra de Histologia em 1890, com a tese “Pesquisas histológicas sobre a inervação das vias biliares extra-hepáticas”.

Considerado o “iniciador da pesquisa médica no Brasil” e o “precursor da iniciação cientifica em nosso país”, dedicava-se com entusiasmo ao ensino, fazendo que seus alunos desenhassem as lâminas durante as aulas de ensino prático de Histologia. Conhecedor profundo do método histológico de Cajal, foi considerado um dos melhores histologistas da época, por nomes famosos como Krause (Alemanha) e Prenant (França).

Participou de diversas comissões, entre elas a que foi a Berlim estudar o processo proposto do Doutor Robert Koch para a cura da tuberculose (1890); a que foi identificar uma suposta epidemia de cólera no Vale do Paraíba, em 1894; e outra, presidida por Domingos Freire, para debelar a febre amarela, em 1899. Ainda em 1899, chefiou a comissão da Diretoria Geral de Saúde Pública que foi a Santos investigar e combater um surto de peste bubônica, da qual fez parte Oswaldo Cruz. Dessa empreitada nasceriam o Instituto Soroterápico Federal, no Rio de Janeiro, e o Instituto Soroterápico do Estado de São Paulo.

Cirurgião experiente, ganhou notoriedade mundial ao realizar, pela primeira vez na história da Medicina, em 1900, na Casa de Saúde São Sebastião do Rio de Janeiro, uma intervenção operatória que constituiu um marco na evolução da cirurgia mundial: a separação das meninas toracoxifópagas, Maria e Rosalina, de 7 anos de idade, numa mesa cirúrgica por ele desenhada especialmente para essa operação, preparando pinças hemostáticas especiais e criando um processo próprio de hemostasia hepática. Vários cirurgiões de grande vulto formaram a equipe médica encabeçada pelo Dr. Chapot-Prévost, dentre eles: Paulino Werneck, Ernani Pinto, Álvaro Rodrigues, Dias de Barros, Azevedo Monteiro e Chardinal D’Arpenans. Nesta ocasião, usou, pela primeira vez, a máscara que hoje é de uso universal. Naquela época, eram limitados os processos da assepsia, entretanto, o Dr. Chapot-Prévost fez o mais rígido preparo e cuidado asséptico, que incluía desde a apurada imunização da sala, até banhos de lisol do cirurgião e seus auxiliares,

O sucesso da cirurgia ultrapassou as fronteiras do Brasil e o Dr. Chapot-Prévost escreveu vários artigos sobre o caso e passou a participar de conferências pelo mundo. Em 1901, partiu para a Europa, desta vez a fim de aperfeiçoar seus estudos no Instituto Pasteur.

Foi eleito Membro Honorário Nacional da Academia Nacional de Medicina, em 1905, onde é o Patrono da Cadeira 81.

É, também, o Patrono da Cadeira 60 da Academia de Medicina do Estado do Rio de Janeiro.

O Dr. Chapot-Prévost escreveu diversos trabalhos, destacando-se: “Pesquisas Histológicas” (1890), “A bouba e a sífilis” (1892), “Nota sobre uma simplificação na confecção das placas de àgar-àgar” (1894), “O carbúnculo no matadouro” (1900), “Novo xifópago vivo” (1901), “Xifo-tóracopago operado” (1902), “Cirurgie des teratopages” (1901), e “Novo teratópago brasileiro vivo” (1905).

Após longa enfermidade, Eduardo Chapot-Prévost faleceu em 19 de outubro de 1907, na cidade do Rio de Janeiro, aos 43 anos de idade.

Agenda
    Em maio
  • 30/5/2017 - 20:00 - Sessão Solene de Posse de Honorário Nacional - Dr. Miguel Srougi