Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Vital Brazil Mineiro da Campanha (Cadeira No. 83)

Membro Honorário Nacional
 
Secção de Ciências Aplicadas à Medicina
 
Patrono da Cadeira No. 83

Eleito: 21/06/1917 - Posse: 21/11/1917 - Sob a presidência de Miguel de Oliveira Couto

Falecido: 08/05/1950

Vital Brazil Mineiro da Campanha nasceu na cidade de Campanha, Estado de Minas Gerais, em 28 de abril de 1865, filho de Manuel dos Santos Pereira Junior e D. Maria Carolina Pereira de Magalhães. Foi um importante médico sanitarista, cientista, imunologista e pesquisador biomédico brasileiro, de renome internacional.

Estudou Medicina na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, em meio a grandes dificuldades financeiras, vindo a formar-se com brilhantismo, em 1891, defendendo a tese intitulada “Função do baço”. Durante o curso médico, foi nomeado, por concurso, a ajudante de preparador da Cadeira de Fisiologia. Após a formatura, foi para São Paulo e clinicou em várias cidades do interior do Estado. Nessa época, presenciou a morte de várias pessoas, principalmente lavradores, vítimas de picadas de serpentes.

Como médico sanitarista, participou das brigadas de combate à febre amarela e à peste bubônica em várias cidades no Estado de São Paulo. Em 1895, chefiou a Comissão Sanitária em Cachoeira, a fim de combater a epidemia de cólera que assolava o Vale do Paraíba.

Além do seu trabalho como médico, Vital Brazil também criou uma das primeiras escolas do Brasil que alfabetizavam crianças de dia e adultos à noite. Desenvolveu materiais de informação, especialmente voltados para a população do campo, sobre como se proteger das cobras e outros animais peçonhentos. Criou uma caixa de madeira, barata e segura, para que os fazendeiros pudessem capturar as cobras e firmou convênios com as estradas de ferro para transportá-las, pois eram essenciais à fabricação do soro.

A convite do governo estadual, Vital Brazil ingressou, em 1897, no Instituto Bacteriológico do Estado de São Paulo, dirigido por Adolfo Lutz. Foi então que tiveram início suas pesquisas. Trabalhou junto com Oswaldo Cruz e Emílio Ribas no combate à peste bubônica, ao tifo, à varíola e à febre amarela.

Recebeu do governo de Rodrigues Alves a Fazenda Butantan, às margens do Rio Pinheiros, em São Paulo, onde, posteriormente, veio a fundar e instalar o Instituto Butantan. Foi lá que desenvolveu, com escassos recursos, importantes trabalhos de pesquisa e produção de medicamentos. Os primeiros tubos de soro antipestoso começaram a ser entregues após quatro meses de trabalho.

Em 1903, após intensa pesquisa, logrou enunciar cientificamente o soro antiofídico, desenvolvido a partir do Piroplasma vitalli, parasita no sangue dos cães. Após este evento, outros soros foram produzidos no Instituto Butantan. Também foram produzidas vacinas contra tifo, varíola, tétano, psitacose, disenteria bacilar e BCG. As sulfuras e as penicilinas vieram mais tarde.

As picadas de aranhas venenosas, escorpião e lacraias deram origem a novos soros. Vital Brazil tornar-se-ia mundialmente conhecido pela descoberta da especificidade do soro antiofídico, do soro contra picadas de aranha, do soro antitetânico e antidiftérico e do tratamento para picada de escorpião.

Frequentou por longo tempo o Instituto Pasteur, em Paris, bem como os principais centros científicos da Europa, como em Berlim, e nos Estados Unidos.

Também é o fundador do Instituto Vital Brazil, criado em 1919, na cidade de Niterói, onde foi seu Presidente por vários anos.

A descoberta de Vital Brazil sobre a especificidade dos soros antipeçonhentos estabeleceu um novo conceito na imunologia e seu trabalho sobre a dosagem dos soros antiofídicos gerou tecnologia inédita. A criação dos soros antipeçonhentos específicos e o antiofídico polivalente ofereceu à Medicina, pela primeira vez, um produto realmente eficaz no tratamento do acidente ofídico que, sem substituto, permanece salvando centenas de vidas nos últimos cem anos.

Consagrado em congresso científico nos Estados Unidos, em 1915, o seu trabalho logo despertou o interesse da Europa, onde se encontrava a vanguarda da pesquisa médica da época, e lhe valeu o reconhecimento mundial. O Instituto Butantan representa um marco na ciência experimental brasileira. Desenvolvendo significativo número de pesquisas de elevado teor cientifico, educando as populações rurais na adoção do tratamento e na prevenção de acidentes ofídicos e criando aquela que foi, possivelmente, a primeira escola de alfabetização de adultos, esse Instituto desempenhou importante papel social na época e tornou-se conhecido e famoso no mundo todo.

Foi eleito Membro Honorário da Academia Nacional de Medicina, em 1917. É o Patrono da Cadeira 83.

Colaborou com diversas revistas científicas, como a “Revista Médica de São Paulo” e o periódico “Brasil Médico”; publicou dezenas de artigos científicos, tais como: “Casos de abcesso disentérico do fígado”, “A peste bubônica em Santos”, Contribuição ao estudo do envenenamento pela picada do escorpião”, “Das ações das peçonhentas no tratamento da epilepsia” e “Do papel dos lipoides em imunologia”; e escreveu dois livros: “A defesa contra o ofidismo” (1911, reeditado e ampliado em 1914, somente em francês), e “Memória histórica do Instituto Butantan” (1941).

O Museu Vital Brazil, criado em sua homenagem, está localizado na casa onde nasceu o cientista, em Campanha, localizada ao sul de Minas Gerais

Faleceu na cidade do Rio de Janeiro, no dia 8 de maio de 1950.