Academia Nacional de Medicina

Português Inglês


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Antônio Felício dos Santos (Cadeira No. 33)

Membro Honorário Nacional

Secção de Cirurgia

Patrono da Cadeira No. 33

Eleito: 03/09/1903 - Posse: 03/09/1903 - Sob a presidência de Joaquim Pinto Portella

Falecido: 06/09/1931

O Dr. Antônio Felício dos Santos, médico, político, conferencista, jornalista, escritor e industrial, descendente de uma das famílias mais tradicionais do Estado de Minas Gerais, nasceu no dia 8 de janeiro de 1843, na cidade Diamantina, filho do Major Antônio Felício dos Santos e de D. Mariana Fernandes dos Santos.

Doutorou-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1863, apresentando a tese intitulada "Hypoemia intertropical" e, após a formatura, retornou a Minas Gerais para exercer Clínica particular.

Nesta fase, toma contato com o positivismo, ao qual deu crescente adesão, e logo ingressa na carreira política. Em 1867, foi eleito Deputado Geral por Minas Gerais, pelo Partido Liberal, e depois elegeu-se para a Câmara dos Deputados, onde permaneceu de 1878 até 1885.

Em 1877, quando sua família inaugurava a Fábrica de Fiação e Tecidos do Baribiri, o Dr. Antônio Felício dos Santos comprava as terras da Fazenda do Pau Grande. Esta compra foi feita com dois sócios e tinha como objetivo o estabelecimento de uma fábrica de tecidos de algodão. Forma-se, então, a Santos & Cia, que construiu a Fábrica Pau Grande, na Província do Rio de Janeiro.

Atuou no movimento pela proclamação da República e participou do primeiro governo republicano, sendo designado pelo Governo Provisório (1889/1891) a estabelecer o novo regime em Minas Gerais, na cidade de Ouro Preto, então capital do Estado e, em 1891, é nomeado Presidente do Banco do Brasil, a convite de Rui Barbosa, então Ministro da Fazenda. O título de Conselheiro de Estado, que havia lhe conferido o Imperador, foi pelo Dr. Antônio Felício dos Santos recusado, dada as suas reconhecidas convicções republicanas.

Contrário ao federalismo, tem crescentes divergências com a liderança do novo regime, se afastando, então, da vida pública. Voltou a se dedicar à prática da medicina e, em 1897, converte-se ao catolicismo, devotando-se desde então ao jornalismo. Por sua atuação nesse mister, ao completar 80 anos, em 1923, foi agraciado pelo Vaticano, recebendo uma medalha com a efigie papal.

Dentre as suas publicações na área médica, destacam-se: "Da acção abortiva do sulfato de quinino" (1874); "O beribéri na província de Minas Gerais" (1874); "Applicação do galvano-caustico à cura radical da hydrocel. Rio de Janeiro" (1874); "Da dismenorrhéa expoliativa: hypothese, apontamentos e observações" (1876), “A eucaristia e a medicina” (1922).

Em sua passagem pela Academia Nacional de Medicina, onde foi eleito Membro Honorário em 1903, instituiu um prêmio anual para o melhor estudo sobre plantas medicinais da flora brasileira. É o Patrono da cadeira 33.

Foi uma figura ilustre entre os colegas fundadores da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, da Sociedade S. Lucas e, juntamente com o Acadêmico Hilário de Gouvêa, da Casa de Saúde São Sebastião. Fundou, em 1924, a Academia Brasileira de Ciências e publicou diversos artigos sobre medicina na revista da Sociedade Médica do Rio de Janeiro.

O Dr. Antônio Felício dos Santos faleceu na cidade do Rio de Janeiro, no dia 6 de setembro de 1931.


Av. General Justo, 365, 7° andar
Rio de Janeiro - 20.021-130
Tel: (21) 3970-8150