Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

José Mauricio Nunes Garcia

Membro Titular

Eleito: 1836 – sob a presidência de Joaquim Candido Soares de Meirelles

Falecido: 18/10/1884

 

O Dr. José Maurício Nunes Garcia nasceu no Rio de Janeiro, no dia 10 de dezembro de 1808, filho de José Maurício Nunes Garcia e Severiana Rosa de Castro (Severiana Rosa Martins, após o segundo casamento).

Nasceu José Apolinário e, em 1828, seu pai, o padre José Maurício Nunes Garcia, iniciou um processo para reconhecê-lo como filho natural. Apesar do obrigatório voto de celibato imposto ao clero, no início do século XIX, o padre José Maurício mantivera uma relação estável com Severiana Rosa de Castro, gerando com ela cinco descendentes. José Apolinário seria o único reconhecido pelo pai e, quando isso aconteceu, mudou seu nome para José Maurício Nunes Garcia Junior.

Formou-se pela antiga Academia Médico Cirúrgica, em março de 1831, defendendo a tese de doutoramento intitulada “Torção das Artérias”.

Foi eleito Membro Titular da então Sociedade de Medicina em 1836.

Foi substituto da Secção Cirúrgica da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, professor honorário da Academia de Belas Artes, correspondente da Academia Real de Ciências de Lisboa, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, músico e pintor.

Escreveu artigos científicos para a Revista Médica da então Sociedade de Medicina, artigos de divulgação médica para o Jornal do Comércio, livros e teses. Por ocasião do concurso ao lugar de Lente Proprietário à Cadeira de Anatomia apresentou, em 1839, a tese sobre “Método de demonstrar o aparelho de audição”, tornando-se o primeiro brasileiro Professor de Anatomia Descritiva da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

Recebeu a condecoração de Cavaleiro da Imperial Ordem da Rosa e a Medalha de Oficial da mesma ordem, por haver combatido abnegadamente a Febre Amarela.

Desquitou-se em 1852, ao descobrir que sua mulher, em conivência com os escravos, colocava em sua comida vidro moído e timbó (planta tóxica).

Despediu-se da faculdade com pedido de jubilamento, em março de 1857.

Faleceu no Rio de Janeiro, em 18 de outubro de 1884.