Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Estevão Alves de Magalhães

Membro Titular

Secção de Farmácia

Eleito: 15/10/1835 - Posse: 15/10/1835 – Sob a presidência de Joaquim Candido Soares de Meirelles

Falecido: 25/12/1846

Foi na província de Minas Gerais que Estevão Alves de Magalhães teve seu berço. Filho do capitão José Alves de Magalhães e D. Maria Josephina de Magalhães – possuidores de honesta fortuna, adquirida como legítimos proprietários de terrenos de mineração.

Chegada à idade de escolher uma profissão independente, preferiu a Farmácia, e na ciência que reclama dos que a ela se dedicam tantos desvelos e cuidados. Sua educação profissional foi confiada a uma dos mais hábeis e conceituados farmacêuticos da Província. Concluída sua tarefa de discípulo, fez seus exames com unânime aprovação e foi depositar nas mãos de seus queridos progenitores o honroso título científico.

Chegado à Corte, foi admitido pelo também farmacêutico José Caetano de Barros. Com este, estudou e praticou química com tanto afinco que, em pouco tempo, substituía seu mestre nas difíceis preparações.

Em 1833 estabeleceu na Rua dos Pescadores seu laboratório farmacêutico. No mesmo ano, foi escolhido pelo voto livre para Vereador da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, aceitando a nomeação de uma Comissão de Saúde Pública para o exame de drogas e remédios. Foi pela Câmara de que fez parte encarregado dos trabalhos no estabelecimento do antigo Seminário de São Joaquim. Pela mesma Câmara, foi nomeado Provedor de Saúde.

Estevão Alves de Magalhães foi Membro Efetivo da Sociedade Defensora da Liberdade, da Sociedade dos Amantes da Instrução e da Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional.

Na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia, serviu diferentes lugares da Mesa com fervor e dedicação. Serviu aos enfermos pobres e tratou com afinco e caridade dos encarcerados. Na Ordem Terceira de São Francisco de Paula, ocupou cargos e além das grandes despesas que acarretam, fez outros trabalhos. Na Ordem Terceira de Nossa Senhora do Carmo, forneceu por quatro anos todos os medicamentos precisos para o curativo dos seus numerosos irmãos.

Quando da Reforma do estatuto da Sociedade de Medicina do Rio de Janeiro, efetivada pelo Decreto Regencial de 8/5/1835, mudando seu nome para Academia Imperial de Medicina, esta foi dividida em três Secções: Medicina, Cirurgia e Farmácia. Neste mesmo ano ingressam na condição de Membros da Secção de Farmácia os farmacêuticos brasileiros Ezequiel Corrêa dos Santos, Manoel Francisco Peixoto, Juvêncio Pereira Ferreira, Francisco Félix Pereira da Costa e Estevão Alves de Magalhães, sendo a sessão presidida pelo farmacêutico francês, Jean Marie Souillé. O Acadêmico Estevão Alves de Magalhães foi empossado em Sessão de 15 de outubro de 1835, sob a presidência do Acadêmico Joaquim Candido Soares de Meirelles.

Cansado finalmente das imensas fadigas pelas quais havia passado, retirou-se para a Ilha de Paquetá, onde permaneceu em seus últimos dias, antes de ser acometido por uma enfermidade cerebral.

Faleceu a 25 de dezembro de 1846.

Agenda