Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Antonio Correia de Souza Costa

Membro Titular

Eleito: 20/03/1865 - Posse: 24/04/1865 - sob a Presidência de José Pereira Rêgo (Barão do Lavradio)

Saudado por: José Pereira Rêgo (Barão do Lavradio)

Falecido: 1884

Nasceu em 1834, no Estado do Rio de Janeiro. Filho de Antônio da Costa Correia e de D. Fausta de Souza Costa.

Doutorou-se em medicina pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1857, defendendo a tese intitulada “Da infecção purulenta”.

Alistou-se a fim de servir ao exército durante a Guerra do Paraguai (1864-1870) ocupando o posto de Primeiro Médico do Hospital Militar do Andaraí, e obtendo por fim as honras de Cirurgião-mor de divisão.

Através de concurso, lecionou como Opositor de Ciências Médicas em 1859 e assumiu o posto de Lente da Cadeira de Higiene em 1865 pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Ainda pela mesma instituição, ocupou o cargo de Vice-diretor em 1881.

Na Corte Real, tornou-se Conselheiro de S. Majestade, e atuou como Presidente da Junta de Higiene Pública e Médico da Imperial Câmara.

Foi eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 1865, apresentando a memória intitulada “Breves considerações sobre a febre biliosa dos países quentes: suas causas, divisão em espécies diferentes, diagnóstico diferencial e tratamento”.

Foi membro de conselhos e comissões examinadoras para magistério superior, sociedades e associações nacionais e internacionais, cabendo destacar que foi membro da Associação Brasileira de Aclimação.

Publicou vários trabalhos de sua especialidade, dentre estes destacam-se “Da Infecção Purulenta” (1857); “Da Disenteria nos Países Tropicais” (1859); “Qual a Alimentação de que Usa a Classe Pobre no Rio de Janeiro” (1864); “Breves Considerações sobre as Miíases das Fossas Nasais”; “Memória sobre a Febre Amarela em Campinas” (1857); “Formulário Farmacêutico Militar” (1857); e Colaboração na Gazeta Médica do Rio de Janeiro” (1862-1864).

Recebeu a condecoração de Oficial da Ordem da Rosa.

Faleceu no ano de 1884, aos 50 anos.