Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

“Jornada 185 anos” debateu temas de ponta da Medicina

Apresentações de alto nível sobre os recentes avanços da Medicina feitas pelos maiores especialistas em suas áreas marcaram, nesta última quinta-feira, 16, mais uma edição do evento “Jornada 185 anos – o que há de novo” da Academia Nacional de Medicina (ANM). O evento, em comemoração aos 185 anos de fundação da instituição, completados em julho deste ano, culminou com apresentações sobre o Estado Atual do Transplante no Brasil. “O seminário cumpriu plenamente seu objetivo, que foi trazer para o debate temas atuais, com conferencistas de alto nível, que discorreram sobre suas maravilhosas experiências na prática médica”, disse o presidente da ANM, professor Pietro Novellino.

A “Jornada 185 anos – O que há de Novo”, teve ampla participação do público, formado pelos acadêmicos, médicos e estudantes de medicina. Na abertura da sessão desta última quinta-feira o professor Novellino lembrou que a ANM foi criada no primeiro reinando com o objetivo de assessorar o governo nas questões de saúde e mantém, até os dias atuais, um programa de educação continuada. O presidente da ANM citou as conferências científicas ministradas por especialistas às quintas-feiras e o programa Uma tarde na Academia, aberto aos estudantes de medicina que, inclusive, participam do Chá Acadêmico. “O objetivo é tornar a ANM cada vez mais aberta à sociedade”, disse Novellino.

Ao tratar do “O Envelhecimento Cardíaco”, o acadêmico Carlos Antonio Mascia Gottscahall enfatizou na sua conferência que as doenças do coração têm um pico na faixa etária dos 60 aos 80 anos. Segundo ele, o melhor antídoto contra a insuficiência cardíaca é a eliminação dos fatores de risco clássicos da doença, buscando ter uma vida ativa, tanto física como mental, afetiva e social, e também evitando a depressão. “E é indispensável ter uma crença no futuro, isso prolonga a vida”, acrescentou.

Na conferência “O Instituto do Cérebro e os Avanços da Neurocirurgia”, o acadêmico Sérgio Novis abordou o Déficit Cognitivo Mínimo (DCM) e mal de Alzheimer enfatizando a perda de memória. Enquanto, segundo ele, o DCM interfere na memória recente, o doente de Alzheimer tem pelo menos duas áreas do cérebro comprometidas. “A diferença entre um e outro é quantitativa e não qualitativa”, explicou o acadêmico, ao assinalar a importância do cuidador no tratamento dos pacientes com a doença. “O ideal é que os cuidadores não sejam da família para evitar o desgaste com o doente”, explicou.

O acadêmico Rui Haddad, conferencista de “Nódulo Pulmonar”, enfatizou o tratamento diferenciado para cada paciente da doença que registra, a cada ano, nos Estados Unidos, 150 mil novos casos. “Não existe receita de bolo, a mesma doença num paciente segue curso diferente em outro”, disse. “Existem pacientes e não doenças”.

Em “Desafios da Medicina Molecular e Regenerativa do Século XXI – Doenças Neurodegenerativas e Câncer”, o acadêmico Jerson Lima abordou duas das mais importantes linhas de pesquisa que estão sendo desenvolvidas no Brasil e também os estudos do Príon, que são proteínas modificadas com propriedades infectantes, que causam várias doenças. “O genoma humano contem 25 mil genes e a complexidade não está no número, mas como estes genes interagem”, disse o acadêmico.

Na apresentação sobre “Pancreatite Aguda” o acadêmico José Galvão Alves destacou que se trata de uma das doenças mais comuns da clínica gastrenterológica, com uma média de 210 mil hospitalizações e 5% de óbitos anuais. “A terapêutica de primeira hora desta doença é a hidratação”, disse.

Na temática final do seminário, os acadêmicos José Osmar Medina, José Camargo e Ivo Nesralla traçaram um painel positivo sobre “O Estado atual dos transplantes no Brasil”. Segundo o professor Medina, nos últimos dez anos, dobrou o número de transplantes de rim, fígado e pulmão no Brasil, sendo que 95% dos transplantes de órgãos no País já são realizados por meio do sistema público de Saúde. “O transplante no Brasil é o maior programa de órgãos públicos do mundo, tem organização exemplar e a confiança da população”, disse o acadêmico.

O acadêmico José Camargo, por sua vez, abordou o transplante de pulmão e a necessidade de agilizar a captação do órgão pelo doador em UTI. Na palestra “A evolução do Transplante Cardíaco”, o acadêmico Ivo Nesralla, por sua vez, falou de inovações que farão parte do procedimento do transplante no futuro, como o desenvolvimento de novas drogas imunossupressoras, as próteses de plástico para substituir funções cardíacas e até órgãos de animais para implantação em humanos.

 

      

Pietro Novellino entrega diploma ao Dr. Gottschall

 

Seminário 185 anos da ANM

Jornada 185 anos da ANM