Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Parasitologia brasileira: uma escola exemplar

Os resultados de estudos brasileiros sobre parasitologia e medicina tropical encontram-se bem situados no ranking de publicações dessas áreas no mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos, afirmou o acadêmico José Rodrigues Coura em sua conferência na Academia Nacional de Medicina, no dia 07/11/2013.

O pesquisador da Fiocruz e ex-diretor do Instituto Oswaldo Cruz iniciou sua exposição com um passeio sobre origem da vida na terra e o aparecimento dos primeiros seres vivos há 3,5 bilhões de anos. Protoplastos, micoplasmas, bactérias, algas e células nucleadas foram os primeiros seres vivos. E foi por meio da reprodução sexuada e da evolução, criaram-se as diferentes espécies.

José Rodrigues Coura falou também sobre a origem dos parasitas humanos e sua evolução. Segundo ele, parasitas como piolhos e oxiurídeos, Trichuris e Ascaris existiam desde os hominídeos ancestrais.

O acadêmico ressaltou em sua conferência algumas das conquistas importantes na área da parasitologia como a invenção do microscópio, o desenvolvimento dos antibióticos e os estudos sobre a resistência microbiana.

Entre as principais doenças, citou a endemia Chagásica que, embora seja identificada em múmias de quatro mil a nove mil anos atrás, se instalou com a ampliação das fronteiras agrícolas e da pecuária nos últimos 200 a 300 anos.

Leishmaniose tegumentar foi outra moléstia que teve sua história relembrada desde a descoberta em 1885, por Cunninghan, na Índia, até a cura proposta por Gaspar Vianna, em 1912.

Coura aproveitou a ocasião para fazer um alerta sobre outra doença parasitária: a toxoplasmose, cuja infecção é disseminada em todo o mundo com altos índices de positividade da sorologia - em torno de 60% das pessoas. Os inúmeros estudos realizados no Brasil sobre esquistossomose finalizou o panorama das doenças parasitárias abordadas por ele.

Por fim, Coura ainda lembrou grandes nomes que contribuíram para a Escola da Parasitologia brasileira como Henrique Aragão, Lobato Parense, Magarinos Torres, Pirajá da Silva, Samuel Pessôa, Adolpho Lutz, Luiz Rey, Luiz Hildebrando Pereira, os casais Victor e Ruth Nussenzwig e Leonidas e Maria Deane, Erney Camargo, entre outros.


José Rodrigues Coura