Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Alfredo José Abrantes (Cadeira No. 94)

Membro Emérito

Secção de Ciências Aplicadas à Medicina

Cadeira No. 94 - Patrono: Benjamin Franklin de Ramiz Galvão

Eleito: 14/09/1905 - Posse: 21/09/1905 - sob a Presidência de Marcos Bezerra Cavalcanti

Saudado por: Antônio Austregésilo Rodrigues de Lima

Emérito: 26/10/1933

Falecido: 20/10/1938

 

Nasceu em 6 de março de 1857, no Estada da Paraíba.

Graduou-se em Farmácia pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, em 1883.

Foi Capitão-Farmacêutico do Serviço de Saúde do Exército e destacou-se pela competência na organização e direção da Farmácia do Hospital Central do Exército, e em comissões para a instalação de diversas farmácias na corporação.

Em 1892, foi designado para integrar a “Turma Norte-Oeste”, chefiada pelo engenheiro Cruls. O objetivo da comissão era investigar o eclipse solar observável no Ceará, em abril de 1893. Era conhecido como um estudioso sobre astronomia e frequentava o Observatório Astronômico, que era situado ao lado do Hospital Militar da Guarnição da Corte, no Morro do Castelo.

Participou da Comissão de Estudos, em 1894, com papel de relevo na criação da Associação Profissional dos Escritores do Distrito Federal, passo exigido para a constituição do sindicato, que depois foi concretizado.

Foi designado para participar em 1900 como membro da Comissão de Limites entre Brasil, Bolívia e o Peru, tendo sido o único sobrevivente dessa expedição, porém o conflito só foi resolvido com a atuação do Barão do Rio Branco, no Itamarati, que viabilizou o Tratado de Petrópolis assinado com a Bolívia em 1903 e que obrigou o Brasil a demarcar novas fronteiras com o Peru.

Fez parte da Comissão que explorou e demarcou o planalto central de Goiás e delimitou a região onde hoje encontra-se Brasília.

Eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 1905. Durante o período em que esteve na instituição exerceu o cargo de Presidente da Secção de Farmácia (1910-1911) (1911-1912) (1912-1913). Tornou-se Membro Emérito em 1933.

Em 1910, tornou-se diretor do Laboratório Químico Farmacêutico Militar. A instituição era referida como "um estabelecimento científico de primeira ordem, de que não existe similar em toda a América do Sul".

Alcançou o posto de General do Exército graças aos longos aos de serviço e dedicação a corporação.

Faleceu em 20 de outubro de 1938.

Agenda
    Em maio
  • 30/5/2017 - 20:00 - Sessão Solene de Posse de Honorário Nacional - Dr. Miguel Srougi