Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Homenagem ao Acadêmico Aluízio Prata

“O retrato da vida bem sucedida de um grande homem” foi a descrição do Acadêmico José Rodrigues Coura na homenagem que prestou, no dia 04 de abril de 2013, ao também Acadêmico Aluízio Prata que tomou posse na Academia Nacional de Medicina (ANM), em 25 de junho de 1996, e na Academia Brasileira de Ciências (ABC), em 03 de junho de 2002, mesmo mês de seu nascimento quando completava 82 anos.

Aluízio Prata nasceu em Uberaba. Filho de fazendeiro, fez seus estudos básicos no Colégio Diocesano Marista, em sua cidade natal. Mais tarde veio para o Rio de Janeiro, onde estudou no Colégio Universitário antes de ingressar no curso de Medicina, da antiga Universidade do Brasil, em 1939. Concluído o curso em 1945, Prata, se dedicou, em um curto período de tempo, à prática médica e logo depois ingressou como oficial médico da Marinha. Acabou sendo transferido para uma unidade médica em Corumbá, no Mato Grosso, onde publicou seus primeiros trabalhos. Em 1952, assumiu o cargo de Vice-Diretor do Hospital Naval, em Salvador. Até 1957, publicou diversos trabalhos originais sobre calazar, esquistossomose e outras endemias.

Em sua homenagem, Coura falou ainda sobre as três grandes escolas que Aluízio Prata formou: uma escola formidável de tropicalistas na Bahia; outra em Brasília, quando fundou o Núcleo de Medicina Tropical, na Universidade de Brasília e, por último, em Uberaba, no Triangulo Mineiro, onde criou um curso de Pós-Graduação. Prata foi autor de mais de 300 trabalhos científicos, sete livros e recebeu em vida mais de 50 homenagens até o seu falecimento, em 2011, aos 91 anos.

Durante a cerimônia de homenagem póstuma, a filha e educadora, Martha Toubes Prata, também falou sobre a trajetória do pai. Lembrando palavras proferidas por seu irmão, Martha ressaltou algumas características marcantes de seu pai como a educação pelos livros e a visão extremamente aguçada que conseguia perceber coisas que a maioria não identificava. E por fim, lembrando da mortalidade humana agradeceu aos imortais da ANM e ABC presentes no evento.

 

 


Agenda