Academia Nacional de Medicina

Português Inglês


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Simpósio de Medicina Translacional une ANM e ABC

“A constituição de uma comissão mista entre as Academias Nacional de Medicina (ANM) e Brasileira de Ciências (ABC) como um núcleo permanente de estudos sobre a medicina translacional no sentido de otimizar a aproximação entre a área de pesquisa básica e a clínica”, foi a recomendação apresentada pelo Acad. Eduardo Moacyr Krieger durante a conferência de encerramento do Simpósio de Medicina Translacional que se realizou nesta quinta-feira, dia 29 de novembro, no Rio de Janeiro.
 
Organizador do evento, Krieger inicialmente conceituo a área que visa agilizar a transferência do conhecimento da bancada para a aplicação no homem e na saúde pública. Uma relação estreita entre a geração de conhecimento e sua aplicação. Krieger fez um panorama histórico sobre avanços deste campo e o descreveu através de conquistas nacionais como o caso da Bradicina e o Captropil para o tratamento da hipertensão arterial, e internacionais desde Louis Pasteur até a criação de um periódico específico sobre o tema, a “Science Translational Medicine”, em 2009.
 
As temáticas apresentadas ao longo do dia foram bastante diversificadas. Para o Presidente da Academia Nacional de Medicina, Marcos Fernando Moraes, eventos como esse são essenciais e a cada dia se fortalecem mais os laços entre as duas academias. “Este simpósio, que encerra o ano acadêmico da ANM, mostra a importância dessa união que pode e deve se estreitar ainda mais através da medicina translacional”.
 
Entre as temáticas diversificadas exemplos na área de farmacogenética - que visa identificar as variabilidades individuais nas respostas aos medicamentos devido a fatores genéticos - foram apresentados pelo conferencista Guilherme Suarez-Kurtz, do Inca. Suarez-Kurtz refletiu sobre quais são as buscas nesse momento, ou seja, como agir e, segundo ele, para isso “foi criado um consórcio internacional que publica linhas de atuação na área, fazendo uma associação entre medicamentos e polimorfismos, na busca de respostas para uma atuação mais racional do médico.”
 
O cardiologista e pesquisador do Incor, Protásio Lemos da Luz, falou em seguida sobre aspectos histórico da bancada para o leito na área da cardiologia. Lemos da Luz trouxe uma timeline com exemplos de conquistas no campo da cardiologia desde 1954. Além disso, apresentou dados epidemiológicos sobre a mortalidade, hoje em torno de 5% nas unidades coronarianas. E anunciou que estão lançando, com o apoio do Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, um projeto intitulado wine trial - estudo clínico de fase III - que avaliará o efeito do consumo de vinho em 3.200 pacientes cardiopatas por três anos.
 
Os diversos tipos de células-tronco, suas aplicações e limites foram alvo da exposição do Acad. da ABC, Antonio Carlos Campos de Carvalho. O pesquisador da UFRJ falou sobre o potencial das células-tronco embrionárias, sua aplicação clínica e a translação, sendo necessário ainda transpor desafios enormes nesta área. Segundo ele, entre esses podem se citados os teratocarcinomas, a ausência da identidade autóloga e a complexidade da manipulação dos genes de histocompatibilidade ou da transferência nuclear e, o último problema, já considerado de certa forma superado, que é a contaminação dessas células com antígenos de origem animal.
 
A Acad. da ANM, Eliete Bouskela, abordou o tema microcirculação e mencionou aos presentes a criação da unidade clínica da Universidade do Estado do Rio de Janeiro que será licitada na próxima segunda-feira, dia 03 de dezembro, para tratar a obesidade tanto em crianças como em idosos  e com propostas de mudança no estilo de vida como dieta e exercícios físicos. Segundo dados apresentados por Bouskela, de 1974 a 2009, houve uma queda no déficit de altura e de peso, mas por outro lado, um incremento da obesidade na população brasileira. Hoje, metade da sociedade brasileira, com mais de 20 anos, está acima do peso.
 
Na palestra do Acad. Gilberto Schwartsmann foram mencionados diversos exemplos interessantes de medicina translacional na área oncológica como nos casos de linfomas, mielomas, câncer de mama e outros. Segundo ele, “há uma razão muito simples, nós vivemos durante muitas décadas na nossa especialidade, uma certeza já superada que o câncer representava basicamente defeitos na função de genes ligados à proliferação celular. Com isso, o DNA e a mitose foram os alvos principais das intervenções terapêuticas até os anos 80.” Assim, as drogas produzidas eram citotóxicas para inibir a proliferação. Com isso, o que se tinha era uma baixa seletividade, um índice terapêutico restrito e toxicidade importante. “Esta a área da medicina é, com certeza, a mais tolerante com a toxicidade.”, disse
 
José Eduardo Krieger falou em seguida sobre aspectos da genética e da biologia, refletindo sobre sustentabilidade e eficiência na área da saúde. Lembrou que dois terços dos gastos em saúde são com doenças crônico degenerativas e que o Brasil gasta cerca de 8% do seu PIB na área. Para ilustrar a medicina translacional, contou aos participantes do Simpósio detalhes do estudo que seu grupo realiza há oito anos na cidade de Baependi, no sul de Minas Gerais, com o monitoramento da saúde, focando em riscos cardiovasculares, de 15% da população, incluindo 100 núcleos familiares com uma média de 17 pessoas em cada núcleo.
 
Experiências dentro do campo da oftalmologia também foram temas abordados durante o Simpósio. O Acad. Rubens Belfort Jr. contou sobre o caso de doença mitocondrial da família da D. Odete, no Espírito Santo, e que causa cegueira nos homens de um dia para outro. São oito gerações e mais de 300 membros, sendo 31 afetados. Belfort Jr. falou ainda sobre aspectos que, em sua opinião, são fundamentais para se avançar na pesquisa clínica como a criatividade. Segundo ele,  “precisamos ir além dos nossos laboratórios. Quanto mais pesquisador out the box, melhor.”
 
O Diretor de Cooperação Internacional do CNPq, Manoel Barral Neto, falou sobre alguns desafios para a área de medicina translacional. Entre os quais, citou as patentes que no Brasil ainda não acompanham e nem refletem o crescimento da produção científica nacional publicada em periódicos. “O país precisa investir numa pesquisa médica mais avançada, chegar nas áreas de fronteira do conhecimento para ter impacto”, declarou.
 
A visão da Faculdade de Medicina foi o último tema abordado. Mário Saad, Diretor da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp e membro da ABC ,disse que além da bancada para a clínica,  como é importante a prática chegar à sua aplicação na sociedade. Segundo ele, na universidade é fundamental também se englobar diversas áreas correlatas e afins na medicina translacional. Além daquelas pertencentes à área da saúde, existem outras como a matemática, estatística e ampliar a capacidade de comunicação.


mesa de abertura

mesa de encerramento

Rubens Belfort Jr.

Protásio L. da Luz

Mário Saad

Marcelo Barcinsky

Manoel Barral Neto

José Eduardo Krieger

Guilherme Suarez-Kurtz

Gilberto Schwarstmann

Eliete Bouskela

Eduardo M. Krieger

Antonio Carlos C. de Carvalho

Av. General Justo, 365, 7° andar
Rio de Janeiro - 20.021-130
Tel: (21) 3970-8150