Academia Nacional de Medicina

Av. General Justo, 365, 7° andar, Rio de Janeiro - 20.021-130 - Tel: (21) 3970-8150
Busca


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Passagem do tempo: fragilidade e sarcopenia

“Cerca de 80% da população idosa não tem problemas de saúde relevantes, sendo a saúde vista a partir de dois critérios fundamentais: autonomia e independência. A autonomia é a preservação da capacidade de decidir e independência é a possibilidade de fazer aquilo que se decide”. Com esta boa notícia foi iniciada a conferência do professor Roberto Alves Lourenço, da Faculdade de Medicina, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, e professor Titular da PUC-Rio. Intitulada “Da passagem do tempo: envelhecimento, fragilidade e sarcopenia", a conferência realizada no dia 26 de outubro de 2012, na ANM, abordou especialmente dois aspectos do envelhecimento: a fragilidade e a perda degenerativa de massa e força muscular.
 
Roberto Alves Lourenço explicou alguns dos modelos de fragilidade que podem ser acelerados por doenças. Entre os quais, alterações fisiológicas com diabetes, insuficiência cardiáca, problemas de tireóides, tuberculose, neoplasias não diagnosticadas, etc.
 
Segundo ele, definir conceitualmente a fragilidade é um grande desafio e dois conceitos já foram bastante discutidos na literatura: um define fragilidade a partir da vulnerabilidade e utiliza cinco itens, considerando a fragilidade positiva diante de pelo menos três desses itens; o outro dá menos importância ao número de itens e se traduz num modelo multisistêmico de fragilidade e busca o que está dando errado.
 
Lourenço ainda trouxe dados importantes para reflexão: 20% da população idosa mundial é afetada por fragilidade e os números nacionais não diferem muito, ressaltou. Ele contou que três quartos dos gastos de saúde nos Estados Unidos são gastos por fragilidade em adultos. Infelizmente, no Brasil não se tem dados sobre esses custos para o Sistema Saúde, mas certamente devem ser semelhantes, afirmou, pois basta frequentar CTI e emergências, para se identificar indivíduos nessas mesmas condições, concluiu.
 
Em relação à sarcopenia, Lourenço explicou que é uma síndrome descrita apenas no final da década de 80, e que seu termo vem do Grego: "perda de carne”. Apenas a partir da década de 90, segundo ele, esse termo ganhou importância, pois apareceu como o grande vilão envolvido nos quadros de fragilidade.
 
Sobre o histórico do termo, segundo ele, foi Irwin Rosenberg pioneiro em utilizá-lo para descrever a perda muscular esquelética. Em 2010, a sarcopenia foi, então, definida como uma síndrome geriátrica, tentando assim distingui-la das perdas musculares de outras faixas etárias e associadas a outros eventos. A sarcopenia não é apenas a perda de massa muscular, mas também de força muscular.
 
Por fim, falou sobre a Rede de Fragilidade em Idosos Brasileiros (Rede Fibra) que há cinco anos acompanha populações idosas, moradoras do entorno da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, na Zona Norte da cidade, e cujo objetivo é avaliar cerca de oito mil idosos. Até o momento, esse grupo de pesquisa da Uerj identificou cerca de 9.2% de indivíduos frágeis nessa população, concluindo que os padrões dessa população são bastante semelhantes aos dados epidemiológicos internacionais. Lourenço terminou sua conferência ressaltando a importância pela busca de marcadores específicos de fragilidade, pois os existentes até o momento como as interleucinas são inespecíficos para diagnóstico e rastreamento desses idosos.