Academia Nacional de Medicina

Português Inglês


Anais da Academia

Veja a última edição do
Anais da academia

Adolpho Frederico Luna Freire (Patrono da Cadeira No. 98 e Membro Titular da Cadeira No. 42)

Patrono da Cadeira No. 98

Secção de Ciências Aplicadas à Medicina

Membro Titular  

Secção de Medicina

Cadeira No. 42 - Patrono: João Carlos Teixeira Brandão

Eleito: 13/12/1900 - Posse: 25/04/1901 - Sob a presidência de Nuno Ferreira de Andrade

Saudado por: Theóphilo de Almeida Torres

Falecido: 25/09/1953

O Dr. Adolpho Frederico Luna Freire nasceu em Recife, Estado de Pernambuco, a 29 de agosto de 1864, filho do Desembargador Adelino Antônio de Luna Freire, que foi membro do Tribunal da Relação do Ceará, e de D. Umbelina Augusta de Melo Luna.

Médico diplomado pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, em 1887, sua tese de doutoramento, que teve por título “Estudo clínico da diátese fibrosa”, foi aprovada com distinção.

No fim do ano de 1888 e princípio de 1889, serviu de Adjunto de Clínica Médica da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 2ª Cadeira, a cargo do Professor Martins Costa. Neste mesmo ano, foi eleito Membro Efetivo da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, tendo tomado parte na discussão que se travou, então, a propósito das mortes súbitas nesta Capital. Por este mesmo tempo ocupou o cargo de Secretário da redação do periódico científico "Brasil-Médico" em cujas colunas colaborou com certa assiduidade.

No final de 1889, se ausentou da capital federal, devido a problemas de saúde. Chegando à Capital cearense, se entregou ao exercício da sua profissão e assumiu o cargo de Professor de Ciências Naturais da Escola Militar. Nas colunas “Gazeta do Norte” escreveu uma série de artigos intitulados “A Transfusão de Sangue”, a propósito de um caso de gangrena senil, tratado pelo Dr. Meton de Alencar, com quem manteve então polêmica, servindo-se o último das páginas do Cearense.

Trabalhou, também, nas Enfermarias São José e Santo Antônio, no Hospital Pedro II, na capital pernambucana, época em que foi colaborador dos Anais da Sociedade de Medicina de Pernambucana.

Retornando, em 1901, para o Rio de Janeiro, lá exerceu o magistério como Docente Livre de Clínica Médica da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro e Professor de Higiene da Escola Normal. Foi médico da Santa Casa de Misericórdia, do Hospital da Gamboa e Sanitarista da Diretoria de Saúde Pública, colaborando com Oswaldo Cruz no combate à febre amarela.

Foi Presidente da Associação de Funcionários Públicos Civis, Membro Efetivo da Academia Cearense de Medicina e Membro Correspondente da Academia Médica Italiana.

Foi eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina, em 1900, apresentando a memória intitulada "A semiótica do espaço semilunar do espaço de traube", tomou posse em 1901 e foi transferido para a classe dos Honorários em 1927. É o Patrono da Cadeira 98.

Em 1918, fez parte, no posto de Coronel, da Missão Médica Militar enviada pelo Brasil à Europa em guerra, chefiada pelo Coronel Médico Nabuco de Gouveia, obtendo as condecorações Pro Labore e Medalha de Honra, por devotamento. Durante a epidemia da gripe, foi distinguido com convite para dirigir o Hospital de Bordeaux, demonstrando nessa chefia grande capacidade e dedicação.

Suas obras principais foram “A Hipermegalia hepática”, “Meningite secundária, consecutiva às eólicas do Recife”, “Algumas considerações sobre a patologia nervosa”, “Sobre um caso de hemi-espasmo facial”, “Contra a horríeopatia”, “Lição de clínica médica”, “Filhos de alcoólatras”, “Estudos sobre o câncer” e “Higiene na família e na escola”.

Faleceu na cidade do Rio de Janeiro, a 23 de setembro de 1953.


Av. General Justo, 365, 7° andar
Rio de Janeiro - 20.021-130
Tel: (21) 3970-8150